Depressão com Poesia

Vamos ser pipocas?

“O movimento é para fora”

Essa frase da minha psicóloga é uma daquelas que vira e mexe me cutuca. Quem é introvertido, gosta de silêncio e solidão, passou por episódios depressivos, entende bem do que estou falando.

Demorei muito para falar para as minhas amigas por exemplo: “olha eu gosto de você, mas prefiro ficar em casa em casa“, e muitas não estão preparados para ouvir isso. Nessa hora percebe quem vai e quem fica.

Acontece que muitos foram e eu fui ficando, ficando, até o dia que não conseguia mais ficar dentro de mim mesma…

Atualmente consigo ver mais beleza nos fatos e nas pessoas, então, esse movimento flui sem maiores sacrifícios. A vida é feita de espantos, bons e ruins, e ficar nos reduzidos em nosso tijolo não há construção.

Por muito tempo fui a pessoa que queria salvar o mundo mas morria de medo de pôr o pé para fora de casa. Hoje não sou muito diferente, mas tenho a consciência de que o movimento é para fora.

Veja bem,

o milho, vira pipoca;

o botão, vira flor;

as gotas juntas, oceano.

Não deixei de ter a visão crítica dos acontecimentos, porém, me sinto menos ácida, logo não estou repelindo ninguém. Risos.

Hoje olhando para trás percebo o tanto que as pessoas foram (são) amorosas e calorosas comigo, o que posso fazer é reparar o tempo perdido, pôr curativos nas feridas e não ter vergonha de dizer eu te amo.

Os bons sentimentos transpassam o outro, ainda que, você não use uma palavra: o olhar, o sorriso, a aceitação, a presença.

Tudo diz quem você é. E, todos nós somos carregados de fragilidades e precisamos de carinho e atenção.

Repito: todos nós.

Esteja certo que mesmo que exista o ser mais resolvido da face da Terra, esse só é assim porque já foi assado.

Então, convido: sejamos todos pipoca.


Cristileine Leão

FacebookInstagramYouTube


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

24 thoughts on “Vamos ser pipocas?

  1. Não precisava nem pedir… já estava pulando mesmo feito pipoca kkkkkk (e olha que o calor aqui está de estourar mesmo). Não gosto do famoso “antes e depois”, minha querida amiga, mas é visível sua mudança! Eu fico feliz, o universo agradece e quem ganha com os sorrisos é você. Paz e bem! Adorei seu texto como sempre… beijo no coração e tenha um final de semana iluminado!

  2. Olha não esquecer que pipoca não é somente sal ou doce, tem uma infinidade até nas cores. Adoro pipocas e como de mão cheia empurrando, risos.😄

  3. Acabei de comê-las. Rsrs
    Como há pipocas de vários tipos, sabores e cores, tb podemos pipocar de várias maneiras. Eu, por exemplo, pipoco no blog, nas viagens, no quadro vai mãe, vai (acho q vc não viu o de Curaçao), … Eu tenho evitado sair com pessoas além das daqui de casa. Ainda bem q as outras pessoas me chamam, sinal de q posso ser boa companhia, mas eu não quero ir. Razões? Todas e nenhuma.

  4. Desde pequeno sempre tive que pular muito… então sempre fui pipoca barulhenta… hoje tento ser mais silencioso… quanto a você continue a pular, está muito bacana…

  5. Cada beijo desse no ♡ certamente os dias ficam mais iluminados. Desejo que essa luz se expanda “não se admire se um dia o beija flor invadir a porta da sua casa🎶” Sigo no mesmo propósito, falarei dos dias ruins, falarei dos dias bons, falarei…

  6. De quem vai e de quem fica são ditas coisas, fatos, e das intuições
    mundo afora se diz algo, sempre se diz algo de quem se vai e de quem fica,
    e assim a canção Encontros & Despedidas*
    focando alegrias e tristezas num só instante, numa só estação
    de trem e, principalmente, numa só estação da vida.

    Portanto, é lícito e necessário duvidar, e que seja usual em todos nós
    usarmos os dentes ao sol, feito um gol, garantindo tanto a força
    centrípeta quanto a centrífuga.
    E que se quebre de vez (ou não) o belo verso: “Lutar com palavras é a luta
    mais vã. Entanto lutamos, mal rompe a manhã.”*

    Poema escrito por DARLAN M CUNHA
    Alusão à canção Encontros e Despedidas > FERNANDO BRANT // MILTON NASCIMENTO
    Alusão ao poema O Lutador, de CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

    Um abraço, CRISTILEIDE.

  7. Muito belo meu amigo, sei que é um amante da arte da palavra. Se passear pelo YouTube visite meu perfil, estou fazendo uma playlists de belas poesias da nossa língua portuguesa. Do mais hoje é um dia de muita alegria, lembra da minha tia “arteira” dos panos de pratos? Hoje ela teve sua primeira neta. Boa semana e até mais Darlan🙋🏽‍♀️

  8. Irei visitar sua Página no YouTube. Com calma, sem aquele alvoroço de quem ganhou na loteria, ou de quem ficou livre da jararaca que tinha em casa, ou de quem ganhou passagem e estadia para visitar o inigualável INHOTIM, de fama mundial, logo aqui perto de casa, em BRUMADINHO, MG. Em frente, que atrás vem gente.

    Quanto à sua tia “arteira”, a dos anos de prato, colega de arte de minha mãe Dona Maria José, diga a ela que a alegria é uma pedra que se joga num lago manso, e que por isso mesmo eu desejo pra valer muitos risos dela e seus com quem chegou.

    Até.
    DARLAN

  9. Oi, Cris!
    Já fui pipoca, já fui botão, já fui uma gota, hoje eu estou mais para tijolo… faze ruim a que estou passando. Não tenho vontade de nada! E pensamentos negativos me ronda…
    Tenho que viver cada segundo como o último enroscada no caracol de mim mesma. Mas tenho contrição, tenho fé (as vezes), isso irá passar.
    😘😘

  10. Quando comecei fazer terapia uma das primeiras coisas que ela me falou foi que até a Madre Teresa, que foi uma pessoa dedicada ao outro e à religião, perdeu a fé… Quanto mais nós Rita que vivemos na defensiva. Só tome cuidado para não deixar as garras da depressão te tomar. Força.

  11. 🙂 É uma frase muito bonita e verdadeira, a do movimento para fora! Já a ideia de sermos todos pipoca, adorei! 🙂

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: