Limerique, poesia.

Versos curtos, bem humorados, ou mesmo sem sentido, frívolo ou absurdos, assim são chamados os versos de estilo Limerique.

São feitos de cinco linhas, rimando a primeira, a segunda e a última (5°), bem como, rimando a terceira e a quarta.

Dizem que o limerique tem esse nome por ter surgido na cidade de Limerick, na Irlanda, pelo poeta Edward Lear. Mas há controvérsias.

No Brasil a escritora infantil Tatiana Belinky é a mais atuante nesse estilo literário. Inclusive publicou um livro chamado “Limerique dos Tremeliques“. Segue um verso dela:

Você sabe o que é Coconha?

Coconha é uma terra estranha,

País que se esconde, ninguém sabe onde

Lugar misterioso a Coconha.

Nessa nossa época de leitura instantânea e busca incessante de humor, o limerique é uma opção, que não deixa de ser poética.

Abaixo segue um verso em inglês, diz sobre a consulta psicanalítica. Foi publicado na coleção de Tyler McCabe, Sad Limericks, no The Toast.

All Therapy is Rehabilitative or Preventative

My therapist’s name is Jan
and she says I have planned a good plan:
One, work on my rages.
Two, finish these pages.
Three, don’t vandalize Karen’s van.

Segue a tradução segundo o Google:

Toda Terapia é Reabilitativa ou Preventiva

O nome da minha terapeuta é Jan
e ela diz que planejei um bom plano:
Um, trabalhar em minhas fúrias.
Dois, terminar estas páginas.
Três, não vandalize a van de Karen.

Isso tudo é basicamente o que eu escuto na terapia: se controle para não voltar para a depressão. Tenha planos e conclua. E como no meu caso não é excesso de energia/fúria, mas a falta dela, dizem, saia e arrase. Risos.

Sem mais delongas, vamos para a minha tentativa. Claro será um verso falando da depressão e o outro da poesia:

Bolor em vida.

Sim eu trato da cabeça

Lembre disso não se esqueça

Antes de fechar a visão

Pense, corpo é mais do que pé e mão

Não nos apodreça.

Canto para chamar de meu.

Morei na casa da Maria

Lá chorava noite e dia

Fugi para a cidade grande

Lá pensava em ser gigante

Cai, descobri: abrigo só na poesia.

E aí pessoal, vamos “limericar“?

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional