A dança de Ana Maria.

Ana Maria fechava os ouvidos
Aos muitos gritos, às brigas,
À todo tipo de ofensa e confusão
Cresceu já não era menina
Desaprendeu a identificar sons/

Ana Maria fechava os ouvidos
À própria voz, à dos outros, a de todo e qualquer tipo de canção/

Ana Maria começou a ficar esquisita. Foi no otorrino quando enfim ouviu:

  • Nos exames não encontrei nada não.
    – Mas doutor sempre eu escuto um zumbido, sinto dor na garganta, o rosto formiga, tenho tontura, minha voz não sai, não sai.

– Dona Ana pode ser neuropatia*, tome esse remédio e procure logo um neurologista. Passe na recepção e pegue a sua prescrição.

– Ah? Nunca ouvi falar? O que é isso?
– Um problema que atinge o sistema nervoso do corpo, muito comum em mulheres depois dos 40, ansiosas ou com depressão.

Ana Maria saiu de si de novo
Com a mão nos ouvidos
Repetia o refrão

Essa músia não, não, não/

Ana Maria voltou para cama
Continuavam os zumbidos
Ninguém lhe ou(via)

Ana Maria ficou muitos anos
Rodopiando naquele som
Sem letra, sem ritmo, sem tom/

Que teimosa essa Ana Maria
Tomara que um dia
Ana dance poesia.

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional

Som do coração.

Rememorando: Conviver ⬅️esse é um dos primeiros posts do blog, de logo quando comecei fazer terapia e a psicóloga conversou sobre o valor da convivência. Hoje quase um ano depois, li e tentei decifrar o que está por trás das palavras. Encontrei a falta e o medo da socialização, o que acompanha a maioria dos depressivos e também dos introvertidos . Encontrei o descontentamento e a necessidade de lidar com o mundo (homens natureza). Principalmente encontrei uma porta de esperança na procura de ajuda e na reflexão sobre a importância da convivência não só para a saúde mental, como também, para a formação de um ambiente onde temos prazer em viver. De lá para cá, venho trabalhando na transformação tanto interna quanto externa. Nem tudo no conviver são flores, mas quem disse que seria? Sendo assim, a realidade nua e crua, vamos ouvir esse Som do Coração:

Ding don

Ding don don don
Ding din

Ding din den don
Digue sim

Digue sim que é bom
Dom da aura e da dimensão.

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional