Respirando o infinito

Entre o tempo e o vento

Há sutilezas

Que só podemos captar

Res-pi-ran-do

Como a pausa

Dos hífens

Com seus traços horizontais

Res-pi-ran-do

Despida

Do passado

Andando

Ao futuro

Que não sabemos

Se haverá

Entretanto

Enquanto há ar

Olhares

E mãos dadas

Estamos certo que

O invisível é o infinito.


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional