Dignidade.

Inumeráveis são as vezes
De que tudo o que uma pessoa precisa

É ser tratada com dignidade/

Há dignidade em quem limpa o nosso banheiro
Tanto quanto em quem nos deu o primeiro emprego
Há dignidade na tia da cantina, como naquela que cuida das finanças da família
Há dignidade no varredor de rua, tanto quanto naquele que te medica/

Há dignidade na prostituta
No presidiário
No esquizofrênico
No infante
No caucasiano
No negro
No senil
No eufórico
No herói
No santo

Onde há vida há clamação por dignidade/

Sim há dignidade em quem a gente quer e em quem a gente não quer, Mas não é deles que quero falar por agora/

Mas sim da dignidade que há em quem a gente não enxerga/

Nascemos sem capa nessa mata
Nos perdemos no caminho das máscaras/

Diz em Eclesiastes 1 – Tudo é vaidade
Quão reais e atuais essas palavras, mas penso: tudo poderia ser dignidade/

A dignidade vai além das aparências, ela é a essência

Quando nossa essência é tocada com carinho, sentimos fé, não somos sozinho, nos sentimos funcionais nessa Terra/

Às vezes um bom dia salva o dia
De quem merece dignidade, de quem caminha lado a lado/

Mas há lutas de braços
Então, precisamos do direito para defender o respeito/

Penso que o cultivo da dignidade
Poderia ser nosso dia-a-DIAgnóstico/

Acontece que a dignidade só da no pé
de quem dá a mão e o olhar para o outro/

Às vezes um simples obrigada demonstra que você está ao lado das pessoas que mais precisam de dignidade/

Os dias passam em vão quando o valor como dignidade vão para o ralo da desilusão num terreno baldio qualquer.

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional

Ardência.

Hoje meu corpo está ardendo

Meus seios ardem 

Prelúdio da menstruação 

Meu estômago arde

Dizendo não preciso mais de leite de vaca, já cresci

Meu coração arde

Sinônimo de doente de saudade 

Meus olhos ardem 

Implorando sai dessa tela

Meus pés ardem

Inchados de cerveja

A unha do dedão da mão arde

Na cutícula inflamada que não necessita ser retirada

Minha pele arde

Da cera quente no depilar

A língua arde

Exagerei na malagueta

Minha mente arde

Resquício da depressão.

Em cada a ardência 

O corpo fala:

Cuida do seu templo 

Lindo filho passageiro

Não deixa a fogueira apagar

Hoje meu corpo está ardendo 

Se não eu
Quem vai escutar?

Se não eu

Quem vai me respeitar?

Reflexões do divã online 

“Cada pessoa é um mundo, escutei da minha psicóloga. Essa pequena e objetiva mensagem, transpôs o oceano Atlântico via Skype, para me fazer reaver conceitos.

Para uma introvertida como eu, quando se está depressiva, é complicado lidar com as dores do corpo, com a inquietação da mente, quanto mais com a complexidade do mundo. 

Só que está frase mexeu comigo, porque em contrapartida antes de ser ou estar nessa ou naquela condição, sou humana. 

Evidente tenho preocupação com o nosso caminho e uma imensa gana de ser útil ao mundo, logo tenho que focar nas pessoas. 

Como eu descrevi lá texto Conviver. Sei que o eu se completa com o outro. Mas convenhamos, a teoria é uma coisa é a prática é outra. Evolução é unir essas mãos. Esse é o nosso exercício de cada dia, buscar conhecer o mundo das pessoas. Se por no lugar delas…

Nem sempre vamos  ver concordâncias, Nem sempre nossos apegos são certeiros. Menos orgulho, mais gentilezas sempre. Claro que temos que começar com o respeito próprio, após isso bom verter respeito por aí, por aqui, por acolá.

A única coisa que fica são os rastros que abrimos com nossos passos para os outros andarem. Boa caminhada.