O que é vida real?

Dessa vez protelei para contar a última consulta ao psquiatra, mas vamos lá.

Desde quando voltei do Brasil para a Alemanha os dias não estão sendo fluidos, atribuo ao clima que nada ajuda. Querido sol como você me faz falta. Essa mistura de saudade, escuridão e desesperança, fez a depressão mostrar suas garras mesmo eu estando medicada.

Só que dessa vez o efeito foi ao contrário, antes eu tinha insônia, agora comecei a dormir demais. Tiveram dias que eu dormi 20h seguidas, não sentia fome, não tomava banho, não escutava as crianças bagunçando, faltei da aula de alemão.

Acordava com a sensação muito boa de não estar vivendo aqui. Depois da segunda vez que isso me aconteceu, liguei o sinal de alerta no máximo.

Primeiro conversei com a psicóloga, foi um debate muito duro porque ela me disse que teria que estabelecer uma tabela com horários de rotina, onde os exercícios e os estudos fossem a prioridade, e que o blog fosse uma atividade esporádica. Que preciso ter mais contato com pessoas na vida real e coisa e tal. Que a movimentação e socialização são os caminhos para abandonar a depressão.

Concordei em partes, na verdade fiquei furiosa e vocês imaginam com qual parte do discurso né. Amo fazer o blog e acho que ele me faz muito bem. Já gastei muito tempo da minha vida com o relógio, a rotina, e à servidão do mundo moderno. Penso que agora posso relaxar e escrever, escrever, até eu virar as próprias linhas… não deu. O *relógio circadiano despertou o alarme e minha vida começou a virar uma confusão.

Então, aí parei e refleti, eu quem estou indo até à psicóloga semanalmente para ela dividir comigo todo seu conhecimento para quê tanta revolta Cristileine?

Ela me perguntou como tinha sido a visita ao Brasil. Disse que foi maravilhosa, mas que ainda assim tinham dias que eu deixava o pessoal conversando e ia dormir. Normalmente acordava às 11h e metade do dia já tinha ido. Que lá tinha gente e falação o dia todo e que estranhava isso.

Aí, ela falou, percebe que você está deixando a depressão entrar pela porta da frente? Assustei, não tinha percebido.

Nessa mesma semana retornei ao psquiatra, expliquei o acontecido. E mais, que engordei dez quilos, ohhh, isso mesmo dez, desde quando comecei o tratamento (final de março do ano passado). Assustei, não tinha percebido, outra vez.

Lembram desse post sobre os efeitos colaterais dos antidepressivos que são engordar e redução da libido? Desses dez quilos, cinco atribuo ao antidepressivo e os outros cinco aos pastéis do Brasil. Delícia! Quanto à libido, than than than thann, só meu marido pode falar, suspense no ar.

Então, na consulta psiquiátrica de repente eu começei a chorar, dizendo que gostaria de ter mais ligação com a vida, mas não consigo encontrar, que tenho todos os motivos possíveis de gratidão e que ainda assim me sinto deslocada aqui na Terra, me sinto culpada por ser assim.

Quando falei isso ele achou que eu acreditava em vidas passadas, risos, deve ser o meu inglês macarrônico. Ele perguntou se eu ouvia vozes, disse que não. Fez uns outros testes de equilíbrio corporal. Perguntou se essa tristeza eu atribuía à depressão ou se sempre fui assim. Respondi a segunda alternativa, aí veio a frase que não sai da minha cabeça:

“Pernonalidade a gente não muda, a gente aprimora”.

“Estou tratando sua doença e os efeitos que ela faz, mas o esforço para elaborar sua personalidade em algo positivo depende de você.”

Pronto, a batata quente está nas minhas mãos.

  • Okay doutor.

– O que tenho para te propor é entrar com outro antidepressivo à base de dopamina que lhe dará mais energia e concentração. Você aceita?

– Claro.

Fui embora do consultório triste porque achava que logo entraria no *desmame e sai com outra prescrição, agora tomo dois antidepressivos.

Pessoal, esse texto já está ficando longo demais, amanhã volto contando as atitudes que tomei, depois desses ocorridos, nesse caminho de encontro ao prazer de viver.

Afinal, vocês sabem me dizer o que é a vida real?


*Relógio Circadiano = processos biológicos que ocorrem regularmente em nosso corpo no período de 24h vigília, sono, concentração, produção de melatonina, cortisol e outros hormônios).

*Desmame = redução da dose de antidepressivo gradativamente até zerar.

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.

Dona de casa sim senhor.

Minha psicóloga falou 

Desenvolva o outro lado do seu cérebro 

Tudo bem, quero aprender dançar e entender de matemática e/ou física sei lá 

Mas quem garante que serei uma pessoa mais viva do que liberar a Antarctica?

Há tantas regras para seguir

Que às vezes nem sei o que estou fazendo.

Claro queria ter aprendido música, balé e até pintar pano de prato.

A oportunidade não chegou a tempo, o tempo passou e hoje na casa dos 40 danço na cozinha e afino temperança de crianças. 

Quem se interessa por esse som?

Quem reconhece esse dom?

Há tantos restaurantes por aí 

Que me sinto subserviente 

Tentando aprender a ser gente

Nesse mundo de muitos sabores.

Doutora gosto de acordar tarde

De ficar em silêncio 

Aprecio a solidão

Isso é o que gosto de verdade 

Mas não posso falar em voz alta

Por favor, não conte para ninguém.

Entendo que preciso de muitas línguas

Mas como reconhecê-las

Se não sei qual é a minha?

O que você faz?

Sou dona de casa sim senhor.

Compreendo que nada disso é rentável 

Não chegarei em lugar nenhum

Se eu ficar te ouvindo senhor.
Quais são meus planos?

Como estará daqui dez anos?

Tudo bem, quem sabe no mês que vêem eu volte a vender os brinquedos educativos, ou, correr que nem doida nas feiras de livros. Amava fazer isso.

Ou quem sabe dar aulas de filosofia, a licenciatura que nunca usei.

Para o jornalismo não volto, já tive provas suficientes que não é nessa carreira que irei desenvolver meu ser. 

Já posso ouvir a sua voz doutora, e a da minha mãe também, falando: nunca diga dessa água não beberei.

Já bebi tantas águas: límpidas, poluídas, com álcool, com sangue, amarga, amáveis, de chocolate e com o sabor de frutas tropicais.

Mas ainda não era eu…era só parte de mim se formando no útero da Terra.

Aos que me olham querendo ver a minha produção saibam que sim, irei monetizar, converter tudo em cifrões para entenderem minhas capacidades. 

Quando?

Quando a estrela cadente atender meu pedido 

Ela vai atender

Só preciso olhar para o alto.

Achei a cartinha que fiz para o papai noel rasgada no terreno baldio

Eu cresci e continuo olhando para baixo.

Questionei se a visão que tenho dos meus pais é real.

Agora, tendo filhos reconheço que não sou a Mulher Maravilha, nem eles são super heróis 

Vamos tirar nossas capas.

A psicóloga tem razão 

Temos dois lados no cérebro 

Como dois lados no bolo da vida

Eles brigam e não se separam

Somos os únicos exemplar de nós nessa Terra  

Ao mesmo tempo somos nada sem o outro.

Doutora reconheço suas palavras, seu empenho e anos infindáveis de estudo.

Ainda assim sou do contra até o fim

Só assim chegarei mais perto de saber

Quem sou.

Reflexões do divã online 

“Cada pessoa é um mundo, escutei da minha psicóloga. Essa pequena e objetiva mensagem, transpôs o oceano Atlântico via Skype, para me fazer reaver conceitos.

Para uma introvertida como eu, quando se está depressiva, é complicado lidar com as dores do corpo, com a inquietação da mente, quanto mais com a complexidade do mundo. 

Só que está frase mexeu comigo, porque em contrapartida antes de ser ou estar nessa ou naquela condição, sou humana. 

Evidente tenho preocupação com o nosso caminho e uma imensa gana de ser útil ao mundo, logo tenho que focar nas pessoas. 

Como eu descrevi lá texto Conviver. Sei que o eu se completa com o outro. Mas convenhamos, a teoria é uma coisa é a prática é outra. Evolução é unir essas mãos. Esse é o nosso exercício de cada dia, buscar conhecer o mundo das pessoas. Se por no lugar delas…

Nem sempre vamos  ver concordâncias, Nem sempre nossos apegos são certeiros. Menos orgulho, mais gentilezas sempre. Claro que temos que começar com o respeito próprio, após isso bom verter respeito por aí, por aqui, por acolá.

A única coisa que fica são os rastros que abrimos com nossos passos para os outros andarem. Boa caminhada.