A violência

A violência é democrática

Acontece que

A democracia está morrendo

A violência não

O povo abraça a democracia

Como tábua de salvação

E é abraçado pela violência

Não há regime ou religião

Que ensine

O homem a ter humanidade

Se assim ele não quiser

A equiparidade vem com

O senso de responsabilidade

Social

Pessoal

Intrapessoal

Interpessoal

Um sinal

Que apita na consciência

De quem se dispõe a ouvir

Mas

O barulho da violência

Procura ser mais estridente

Para intimidar toda gente

Que se dispõe a evoluir

Diante da tamanha farfalhada

Não é de se admirar

Perpetuar-se nas ruas e nas casas

A eleita guerra fria

Entre medíocres e covardes.

Arte, poesia e filosofia

É fim de semana

A vida segue

Com ou sem armas

Com ou sem educação/

O que difere

No bem estar

É saber caminhar

Em qualquer situação/

Nossas células se transformam

Todos os dias

Tanto pelo alimento

Quanto pelo movimento/

Nossa criatividade, experiências e intuição

São magníficos instrumentos de invenções

Pouco usados/

A ousadia não é se impor às pessoas

Pelo medo, ignorância e discriminação

De “Príncipes” o mundo está cheio/

A ousadia é manter viva

A arte, a poesia e a filosofia

Ouse ver

Um mundo além das telas e das celas

Ouse ser.

Continue lendo “Arte, poesia e filosofia”