Pedidos silenciosos

Algum tempo atrás comentei com vocês sobre os “pedidos silenciosos” de um depressivo. No post 30 maneiras para lidar com um depressivo.

Vamos lá, primeiro no porquê de silenciosos. Quem está passando por uma depressão está com o nível baixíssimo de energia física, cognitiva e espiritual. Nesses casos tudo o que a pessoa faz, ainda que inconscientemente, é o deixar de fazer. Deixa de tomar banho, comer, sair, levantar da cama, praticar as atividades que habitualmente gostava, etc.

Estou falando dos casos de depressão de moderada à grave. Nos casos conhecidos como distimia, uma depressão digamos leve, a pessoa até tem energia, mas, vive mal humorada e irritada constantemente.

Negatividade, culpa e isolamento são uns dos principais sintomas da depressão.

Numa ou noutra situação o indivíduo está clamando por ajuda, ainda que não saiba. Os pedidos silenciosos não são apenas feitos através de lágrimas, afastamento ou por qualquer dos comportamentos acima citados.

Muitos dos pedidos silenciosos são feitos através dos olhos, da cabeça baixa, dos ombros caídos, da não atitude e da atitude contraditória à personalidade habitual. Exemplos:

Aquele amigo sempre presente que sumiu. Aquele pai tagarela que se calou. A agressividade constante. O alcoolismo e demais drogas. A tia efusiva da cantina que parou de sorrir. O corpo com baixa resistência. Não conseguir acompanhar as aulas. O colega que se esforça pra ser legal, mas não tem nada de social. A criança que se esconde nos livros ou nos games. O vovô que entrega os pontos mesmo sem precisar. A mãe que não sente prazer na presença dos filhos…

Se pararmos para analisar vamos encontrar diversos pedidos silenciosos ao nosso redor. Mas, estamos na correria que nem conseguimos identificar nossos próprios pedidos.

Ah! Tudo bem, identifiquei alguns pedidos silenciosos e agora? Oferecimento e presença, são palavras chaves.

Que tal uma canja? Vamos contar as estrelas hoje? Já pensou em procurar um médico? Vamos juntos? Por que esta agindo assim? Pense melhor, não é você quem está falando. Volto daqui a pouco. Preparei uma água quentinha lá na banheira para você. Eu sei que não está fácil, estou aqui para o que precisar. Ouvi essa música e lembrei de você…

Talvez nada disso funcione porque o depressivo não consegue ouvir nem a própria voz. Talvez ele esteja elaborando os próprios pensamentos no silêncio. Talvez você seja o milagre/anjo/libertador (ou o nome que escolha) na vida dele. Talvez nada disso funcione.

Aceite, isso mesmo, aceite sem desistir um segundo, a vida também é feita de talvez.

Mas não desista de quem ama, de quem você pode vir amar, de quem precisa de você, de quem pede em silêncio.

Ainda acho que é melhor trabalhar com o talvez do que com o “se”.

Texto opinativo sobre como conviver com alguém com depressão baseado nas minhas experiências pessoais e conversas com depressivos.

〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️

Abaixo deixo uma reportagem da DW, desconfio que já a divulguei num outro post🤔 segue aqui porque se encaixa com o de hoje. Os dados são de pesquisas realizadas na Alemanha, mas servem como referência para pensarmos nessa situação. Também há dica de aplicativos (em alemão) para o monitoramento do humor e motivação. Atentem-se como famílias, amizades e empregos são destruídos por causa da depressão. Às vezes nem nos damos conta disso porque deixamos passar muitos pedidos silenciosos.

Dos entrevistados, 84% disseram que se afastaram completamente da vida social durante seu período depressivo, e 72% disseram não se sentir ligados a outras pessoas. Quase 45% daqueles que sofrem de depressão deixam o parceiro ou parceira.

Reportagem completa⬇️

Depressão atinge com força familiares e amigos do doente

Abraços cristalinos, Cris🙋🏽‍♀️

〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️

Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

Aos Youtubers anônimos.

Somos um canal

Youtubers anônimos

Na sintonia da vida/

Nesse momento

Têm muitos nos assistindo/

Se o conteúdo for longo

Poucos ficarão até o fim/

Se o conteúdo for engraçado

O curtir virá faceiro

Muitos buscam diversão/

Se o conteúdo for profundo

As visões serão difusas/

Os comentários serão raros

A não ser que seja um canal famoso ou polêmico

Mas, somos a maioria

De anônimos que projeta

O dia a dia/

Nesse canal

Cada um coloca o que quer

Querendo ou não

Seremos acessados/

Podemos usar filtros, edições, figurinhas

Tudo faz parte do jogo da vida

Na busca de aceitação/

Somos um canal

De imaginação, inteligência, sabedoria e perspicácia

Como uma qualidade difere da outra

Bom mesmo é ter noção

De onde sintonizamos e

Por quem somos sintonizados/

Recarregar a energia nessa Terra

É tarefa árdua

A qual cada um nascemos capaz

Quando formulamos o próprio conteúdo

Em prol do bem comum/

Porém nem sempre ativamos as notificações

Enquanto isso o vídeo não pára de rodar

Nem após a morte/

〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️

– Esse poema surgiu após eu escutar esse comentário:

“Diga me seu histórico no YouTube e te direis quem és”.

Infelizmente não lembro a autoria.

Mas é de outro canal que falo aqui.

〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional