Força menina

Vamos lembrar de Olhos Roxos, post de junho do ano passado, que fala sobre a violência doméstica.

Mais do que isso, fala da força da mulher que caminha além das marcas no corpo e alma, e, das marcações sociais.

Nós mulheres que cedemos o ventre e estamos presentes nas mais diversas criações e construções,

somos mais preciosas que as ametistas,

mais cheirosas que as lavandas,

mais delicadas que as violetas,

e procuramos sim a transmutação usando todo o poder da intuição.

Um viva a força feminina.

Força aí menina.



e-books por Cristileine Leão

Continue lendo “Força menina”

Segredos

Você nasceu do centro do mundo

Veio do magma

Reinou e foi dominada

Amou e foi humilhada

Se refrigerada for

Cristaliza-se em rocha ígnea

Ao seu redor todo solo

Fica fértil

Guarda um casulo

Para brotar a vida

Nos teus pés

As melhores vinhas

Nos teus olhos

As melhores vistas

Dizem ser a bela

A adormecida

Ou a decretam

Vulgar fantasia

Pueris

Voltem para o ventre

E aprendam

Os segredos de uma mulher


Cristileine Leão

FacebookInstagramYouTube


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

O canto dos pássaros

Na floresta

Os pássaros brincavam

Com ela

De esconde esconde/

Te peguei

Pegou não

Esse é só o meu som/

Ela correu

Ficou no pique

Mas jamais esteve livre

Como eles/

Eles gorjeavam

Numa sintonia aprazível

De embalar sonhos

Tentando adormecer

As dores dela/

Naquele uno ar

As copas das árvores testemunharam

O que um passarinho lhe contou:

Mulher

Os mistérios do mundo

Existem em mim e em você

Cante

A vida é mais

Que esse esconde esconde

Siga

Cantando canta ando cant and cantando.


Flores cantam Poesias
conheçam meu ebook aqui


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

Perséfone e a depressão

Proserpina, Dante Gabriel Rosetti, 1874 (foto Wikipédia)

Os percursos das deusas da mitologia grega têm muito a nos dizer sobre a depressão. Sobretudo os de Deméter (arquétipo a mãe) e Perséfone (arquétipo a filha). Hoje vou discorrer sobre Perséfone.

Essa que é a deusa das flores, dos frutos, das ervas e dos perfumes, como também a rainha do submundo, aquela que teve que aprender a andar entre os vivos e os mortos.

Perséfone pode nos dar dicas de como lidar com a depressão, pois, ela passa parte do ano nas trevas e na outra produz a Primavera. Dizem que por esse mito nasceram as quatro estações do ano.

Somente essa passagem, já nos dá para se ter uma ideia de que é bom estarmos preparados para todo o tempo: receber, usufruir, preservar e reconstruir em cada período.

Esse mito vai mais a fundo, de filha amada por Deméter (deusa da agricultura), até donzela raptada, violentada e prisioneira por Hades (deus das trevas e dos mortos); Perséfone passou por transformações e adquiriu poderes para tratar com as profundezas e a beleza, saber lidar com os contrários e contrariedades.

Antes ela só conhecia a proteção e a pureza (ingenuidade), até ser obrigada a conviver e conhecer o subterrâneo, a morte, a escuridão. O que não é dito, o que é escondido, o que é abominável.

Por isso muitas vezes Perséfone é dita como deusa vítima, a que não sabe dizer não, lutar por seus propósitos, ter clareza de objetivos, se impôr.

Mas, procurando desvendar melhor o mito veremos que não é bem assim.

Em certo momento Perséfone tem a oportunidade de voltar a viver com a sua mãe no mundo da luz, mas, decidiu comer o fruto da romã o que lhe liga nas profundezas com o marido.

Lembram do caso da maçã? Pois é, Perséfone passou a ter conhecimento do bem e do mal.

Por isso, ela vive entre o mundo do consciente e o do inconsciente. Podemos dizer que ela é a deusa da transitoriedade, quem entende que tudo passa e se renova no ciclo da vida.

Entretanto, manejar o perfil Perséfone não é fácil, nossa cultura cultua e celebra somente a vida, a luz, a prosperidade, o que se vê; e não sabe o que fazer nas situações de morte, dor, escuridão, decadência, inconsciência, intuição.

Antes de Perséfone aceitar sua nova condição de vida, ela passou por momentos de negação, profunda tristeza e desespero.
Se isolou, não queria mais comer e nem ver nada o que tinha pela frente. Deprimiu. Teve que lidar com a morte diariamente, conheceu forçosamente a sexualidade e a separação.

Esgotada suas mágoas, Perséfone percebeu que não tinha mais para onde ir, precisava compreender tudo o que aquela situação tinha para lhe dizer; já que não tinha como sair daquele lugar, que a aversão dele saísse dela.

Assim virou a “rainha e guia dos mortos” que ali chegavam, passou amar e respeitar seu marido Hades, passou a governar com ele.

Quando em terra, Perséfone não deixava de dar a luz trazendo o brilho, as cores e os aromas da Primavera.

O que me diz o mito de Perséfone:

Ufa que mito! Claro que lembrei de “A Bela e a Fera”. Leio, releio, pesquiso e sempre aparece algo a ser descoberto. Aqui procurei fazer uma compilação do que aprendi relacionando com a depressão, na busca de pistas de como entrar e sair dessa caverna. Verificar o que podemos aprender com ela. Não ficar sendo vítimas, nem vilãs, nem culpadas da situação, mas nos contextualizar nela. O perfil Perséfone tem atração pela morte, mas é na vida que ela sabe florir. Entre as trevas e a luz, há romãs (escolhas).

Fontes:

  • É fácil achar o mito na internet.
  • Para saber das origens das estações sugiro esse link aqui
  • Livro: “As Deusas e a Mulher“, de Jean Shenoda Bolen.
  • Texto: Perfil Psicológico da Mulher Perséfone, de Fatima Vieira.

Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional