Vamos ser pipocas?

“O movimento é para fora”

Essa frase da minha psicóloga é uma daquelas que vira e mexe me cutuca. Quem é introvertido, gosta de silêncio e solidão, passou por episódios depressivos, entende bem do que estou falando.

Demorei muito para falar para as minhas amigas por exemplo: “olha eu gosto de você, mas prefiro ficar em casa em casa“, e muitas não estão preparados para ouvir isso. Nessa hora percebe quem vai e quem fica.

Acontece que muitos foram e eu fui ficando, ficando, até o dia que não conseguia mais ficar dentro de mim mesma…

Atualmente consigo ver mais beleza nos fatos e nas pessoas, então, esse movimento flui sem maiores sacrifícios. A vida é feita de espantos, bons e ruins, e ficar nos reduzidos em nosso tijolo não há construção.

Por muito tempo fui a pessoa que queria salvar o mundo mas morria de medo de pôr o pé para fora de casa. Hoje não sou muito diferente, mas tenho a consciência de que o movimento é para fora.

Veja bem,

o milho, vira pipoca;

o botão, vira flor;

as gotas juntas, oceano.

Não deixei de ter a visão crítica dos acontecimentos, porém, me sinto menos ácida, logo não estou repelindo ninguém. Risos.

Hoje olhando para trás percebo o tanto que as pessoas foram (são) amorosas e calorosas comigo, o que posso fazer é reparar o tempo perdido, pôr curativos nas feridas e não ter vergonha de dizer eu te amo.

Os bons sentimentos transpassam o outro, ainda que, você não use uma palavra: o olhar, o sorriso, a aceitação, a presença.

Tudo diz quem você é. E, todos nós somos carregados de fragilidades e precisamos de carinho e atenção.

Repito: todos nós.

Esteja certo que mesmo que exista o ser mais resolvido da face da Terra, esse só é assim porque já foi assado.

Então, convido: sejamos todos pipoca.


Cristileine Leão

FacebookInstagramYouTube


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

Conselho de segunda-feira.

Conselho é igual regime que começa na segunda-feira.

Quase ninguém leva a sério, mas não custa tentar. Vai que rola.

Aqui segue o meu:

Movimente-se porque a vida é luta”.

Então procure saber

Escolher a luta que quer entrar, isso é uma batalha diária. Umas valem a pena, outras nem tanto assim.

E ainda tem aquelas que não escolhemos, mas as armas são postas em nossas mãos, querendo ou não, sabendo ou não, lutar.

É a batalha da vida, sem perdedores, sem ganhadores, porque a vida nunca pára de rodar, nem as lutas de nos impulsionar.

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença

Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional

Como lidar com a depressão?

O quê: Como lidar com a depressão?

Quem: Monja Coen

Onde: Canal Mova

Quando: 14.03.2016

Por quê: Recebi esse vídeo de uma pessoa amada, que não é budista e nem ao menos religiosa. Obrigada por se preocupar! Já tinha ouvido a Monja Coen, curiosa que sou certa vez até pesquisei sobre a vida dela que é muito excêntrica, nem assim tive interesse em prosseguir nos seus discursos. Entretanto, nesse vídeo ela me surpreendeu, pela sensatez sem religiosidade, fala sobre as sensações de um depressivo, e acima de tudo diz o primordial:

A depressão é tratada em cada movimento, o movimento depende de esforço, o esforço depende do eu.

Abraços pessoal🙋🏽‍♀️