Vida de cachorro

REMEMORANDO

Vamos rememorar a escrita de abril do ano passado ➡️ Já viu esse filme?

A foto do post é de “A dama e o vagabundo”, mas o poema é das omissões da vida real.

Lembrei desse post após observar os donos passearem com seus cachorros na praia. Geralmente sem coleira. Um deles jogava a bolinha e o cachorro corria buscar. Os dois se divertiam bastante. Até então o “proprietário” estava no comando do doberman.

Eis que aparece também livre, leve e solto um pastor alemão. Aquele procedimento de um cheirar o outro. A tensão vigente entre os donos, chamando as crias pelo nome e aprontando as coleiras. Já que os dois cachorros eram de raças grandes e potencialmente perigosos.

E eis que os cachorros se desconectam completamente dos comandos e voltam ao seus seres naturais. Rolam na areia, correm, brincam de pega pega, latem. E, para o desespero dos donos, entram no mar gelado e rolam na areia de novo.

Fazia tempo que eu não via tanto divertimento despretensioso. Viver o momento presente como diria as fontes meditativas.

De nada adiantava arguir com os cães e nem apresentar biscoitos cheio de aroma e sabor de carne. Os cachorros assumiram o comando e naquela hora só queriam ser cachorros sem rótulos ou funções.

Já viu esse filme?


FacebookInstagramYouTube
Siga-me nas redes sociais


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional