Movimento de luz

REMEMORANDO


Vamos relembrar da Bailarina de Fogo – poesia feita em fevereiro do ano passado após eu ficar seduzida pelo movimento de luz feito por uma vela vermelha.

A chama dessa vida, quer dizer, dessa vela nos convidou para dançar e aceitamos.

É preciso muito cuidado para não nos queimar, é preciso muito molejo para nos virar, é preciso ficar atento na labareda.

Tendo a consciência de que um dia virá o sopro, então, chega de fazer cera de olhos abertos.

Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

Perséfone e a depressão

Proserpina, Dante Gabriel Rosetti, 1874 (foto Wikipédia)

Os percursos das deusas da mitologia grega têm muito a nos dizer sobre a depressão. Sobretudo os de Deméter (arquétipo a mãe) e Perséfone (arquétipo a filha). Hoje vou discorrer sobre Perséfone.

Essa que é a deusa das flores, dos frutos, das ervas e dos perfumes, como também a rainha do submundo, aquela que teve que aprender a andar entre os vivos e os mortos.

Perséfone pode nos dar dicas de como lidar com a depressão, pois, ela passa parte do ano nas trevas e na outra produz a Primavera. Dizem que por esse mito nasceram as quatro estações do ano.

Somente essa passagem, já nos dá para se ter uma ideia de que é bom estarmos preparados para todo o tempo: receber, usufruir, preservar e reconstruir em cada período.

Esse mito vai mais a fundo, de filha amada por Deméter (deusa da agricultura), até donzela raptada, violentada e prisioneira por Hades (deus das trevas e dos mortos); Perséfone passou por transformações e adquiriu poderes para tratar com as profundezas e a beleza, saber lidar com os contrários e contrariedades.

Antes ela só conhecia a proteção e a pureza (ingenuidade), até ser obrigada a conviver e conhecer o subterrâneo, a morte, a escuridão. O que não é dito, o que é escondido, o que é abominável.

Por isso muitas vezes Perséfone é dita como deusa vítima, a que não sabe dizer não, lutar por seus propósitos, ter clareza de objetivos, se impôr.

Mas, procurando desvendar melhor o mito veremos que não é bem assim.

Em certo momento Perséfone tem a oportunidade de voltar a viver com a sua mãe no mundo da luz, mas, decidiu comer o fruto da romã o que lhe liga nas profundezas com o marido.

Lembram do caso da maçã? Pois é, Perséfone passou a ter conhecimento do bem e do mal.

Por isso, ela vive entre o mundo do consciente e o do inconsciente. Podemos dizer que ela é a deusa da transitoriedade, quem entende que tudo passa e se renova no ciclo da vida.

Entretanto, manejar o perfil Perséfone não é fácil, nossa cultura cultua e celebra somente a vida, a luz, a prosperidade, o que se vê; e não sabe o que fazer nas situações de morte, dor, escuridão, decadência, inconsciência, intuição.

Antes de Perséfone aceitar sua nova condição de vida, ela passou por momentos de negação, profunda tristeza e desespero.
Se isolou, não queria mais comer e nem ver nada o que tinha pela frente. Deprimiu. Teve que lidar com a morte diariamente, conheceu forçosamente a sexualidade e a separação.

Esgotada suas mágoas, Perséfone percebeu que não tinha mais para onde ir, precisava compreender tudo o que aquela situação tinha para lhe dizer; já que não tinha como sair daquele lugar, que a aversão dele saísse dela.

Assim virou a “rainha e guia dos mortos” que ali chegavam, passou amar e respeitar seu marido Hades, passou a governar com ele.

Quando em terra, Perséfone não deixava de dar a luz trazendo o brilho, as cores e os aromas da Primavera.

O que me diz o mito de Perséfone:

Ufa que mito! Claro que lembrei de “A Bela e a Fera”. Leio, releio, pesquiso e sempre aparece algo a ser descoberto. Aqui procurei fazer uma compilação do que aprendi relacionando com a depressão, na busca de pistas de como entrar e sair dessa caverna. Verificar o que podemos aprender com ela. Não ficar sendo vítimas, nem vilãs, nem culpadas da situação, mas nos contextualizar nela. O perfil Perséfone tem atração pela morte, mas é na vida que ela sabe florir. Entre as trevas e a luz, há romãs (escolhas).

Fontes:

  • É fácil achar o mito na internet.
  • Para saber das origens das estações sugiro esse link aqui
  • Livro: “As Deusas e a Mulher“, de Jean Shenoda Bolen.
  • Texto: Perfil Psicológico da Mulher Perséfone, de Fatima Vieira.

Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

Tapete estendido.

  • Troco mil tapetes vermelhos
    Por tapetes de folhas
  • Bobinha
    Quem foi que lhe falou que terás um tapete estendido?

  • O caminho me diz todo dia

Hoje foi no craquear de folhas no solado dos pés
E no cheiro indescritível do outono invadindo as narinas

Também na tristeza que insiste em desfolhar o bom humor
Mais uma folha caída

Mais uma

Cuido para não escorregar
Aqui nessa Terra
O foco é topete

E a luz?

Resplandece na força que segura e derruba as folhas

Claro, é necessário olhar para o chão
Para guardar um pouquinho desse dourado na visão da alma

Brilho que vai embora

Engolido pelos dias
Enquanto corremos
Atrás dos variados
Tapetes.

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional