Nonsense

REMEMORANDO

Dia de relembrar poemas nonsense ou nem tão sem senso assim, depende da interpretação do interlocutor. Separei dois com o tema ovo que simboliza o nascimento, a criação, e um sem pé nem cabeça mesmo.

Ovos Estrelados de 09/10/2017

O voo do ovo de 03/08/2017

Sem pé nem cabeça de 20/06/2017

Para complementar esse momento sem sentido, de dizer sem dizer nada, de dizer só por dizer, do deixar fluir livremente; deixo abaixo outro poema nonsense.

Espero que se divirtam e quem sabe reflitam e se libertem do escrever para impressionar. Beijos.

〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️

Carruagem de coco que sufoco

No mundo só reconhecem

Carruagens de abóbora

Adeus Cinderela

O seu tempo acabou

Não ouviram a Aurora

No canto uma Branca de Neve

Solidão

Sairam em desalento

Pela floresta sem fim

Floresta que já ouviu tantas estórias

Mas ainda não descobriu

O caminho para João e Maria

Em si

Enquanto isso

No completo aliamento

Alguém grita

Jogue-me suas tranças

Pro céu

De vinil.

〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️

Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional