Depressão com Poesia

Sem escutar

Num saco de lixo

Soube muito mais de você

Do que pressupunha

Nunca imaginei

Que ainda gostava

De bolinhas de gudes

Como conseguiu
quebrá-las?

E o que signfica

Aqueles vários tubetes
vazios?

A coleção de selos
que nunca foram colados

O diário que nunca começou

Os dias passaram

Sempre fui sua
faxineira

Mas amanha não

Não

Estarei em outra casa

Você também

E nem para me deixar
um recado

Que precisava
de mim

Nunca te vi
sem um sorriso nos olhos

Agora limpo

Seu canto
Sem som
Sem sol
Sem encanto

Sabendo que

Jamais receberei

O teu estender de mãos

Penso que

Se eu prestasse atenção
No seu lixo
Antes

Talvez não te visse

Com as mãos cruzadas
No coração

Levo para casa um porta retrato

Tão memorável e estático

Como essa situação

De inevitabilidade

Do ser

Estou me sentindo um lixo

E sinto que você está

Recolhendo meus caquinhos

Enquanto nós dois

‘Ao pó de ce mos’

Escuto a nona sinfonia

Que Beethoven criou

Sem escutar.