Depressão com Poesia

Filosofia com poesia

Um dos benefícios de ser uma dona de casa equipada, leia-se fone de ouvido com bluetooth, é poder andar o dia inteiro na arrumação ouvindo seus vídeos, músicas e livros preferidos. O tempo flui, as ideias vêm, a rotina não pesa.

Ultimamente meus melhores gandgets foram esse fone; o leitor de livros, presente do amado; e a esteira, necessidade que surgiu do corpo, da mente e da falta de tempo.

Saibam que a maioria das “rainhas do lar” na verdade são Cinderelas trabalham duro cozinhando abóboras e vendo a carruagem passar.

Quando se é mãe de menores, esquece, seu tempo depende da agenda deles.

Isso não é reclamação. Amo o que faço e me sinto privilegiada por acompanhar o crescimento deles e dar suporte ao marido que fica nesse vai e vem de mudanças conforme a demanda do trabalho.

Mas o que isso tudo tem haver com filosofia e poesia? Vamos lá.

Descobri a filosofia muito nova na minha pequena cidade interiorana quando “chegou” em minhas mãos o livro O mundo de Sofia, de Jostein Gaarden.

De lá pra cá foi amor crescente. Até fiz uma licenciatura em Filosofia pela Faculdades Claretianas de Batatais, foi um curso de Educação à distância, o qual me surpreendeu, pois, exigiu mais dedicação, estudo e disciplina que o própria graduação presencial que tinha feito em jornalismo anteriormente.

Hoje aplico isso tudo em casa com as crianças, na prática diária nos ambientes que frequento e no blogue com as prosas e poesias.

Esse amor nunca acabou, nem a procura por tentar o entender melhor a humanidade. Sei que filosofia é um assunto complexo do tipo ame-o ou deixe-o. Que ao mesmo tempo que ela nos abre a porta da liberdade de pensamentos e autoconsciência, ela também pode nos torturar, pois, o conhecimento sem aplicabilidade traz pesada realidade, trás responsabilidades e desarranjo mental. Enfim, vou continuar curiosofando.

Hoje com a tecnologia as informações estão na palma da mão, resta-nos saber filtrar, avaliar e dar bons alimentos para nossa mente. Só ficar sentado na frente da TV mastigando conteúdos prontos e financiados hoje em dia é só para quem quer. Mais uma vez a autonomia e responsabilidade da nossa atuação…

Mas, como sei que cada um tem sua rotina e interesses, o que posso fazer é compartilhar o que imagino ser relevante.

Imagina alguém que consegue a plenitude de juntar Filosofia e Poesia num pequeno e claro livro que fala sobre o amor, a amizade, os bens materiais e espirituais e até do ato cotidiano de comer e beber.

Khalil Gibran, auto-retrato, 1911.