A vibrAção

Às vezes subestimados o poder sonoro. O tom voz, a forma como o ritmo e a vibração sonora nos afetam como faca ou como fada.

Nessa pequena cidade de cinco mil habitantes é permitido os carros de som para a propaganda comercial. Vende churros, liquida roupas, divulga o show na praça…

Na reunião familiar a disputa é de quem fala mais alto, como se assim fossem melhor ouvidos.

A igreja dita a oração todos os dias às seis da tarde pelos autofalantes.

Casa sim, casa não, ouve-se a preferência musical dos habitantes. Desde sertanejo, até funk e cultos.

Nos lares, nos carros, nos bares, som, som, som nos seus altos tons.

Tudo seria o ritmo da vida, se também fosse respeitado as sensibilidades auditivas. Se houvesse reflexão sobre essa questão:

O que acontece quando o som pertuba?

Quando atrapalha o descanso da sesta, a recuperação física ou mental de uma doença, o sono do recém-nascido, e/ou até mesmo quem aprecia o valor do silêncio

Sou uma dessas, por isso mesmo me questiono o porquê das pessoas terem tanta dificuldade de ficar sós e quietas. De quererem impôr seus gostos e opiniões ainda que o outro não se compraza em ouvir.

Uso as letras para catarse. Fico irritada quando uma leitura ou reflexão é atrapalhada. Esse é o meu grito.

Aliás, o grito é algo que entra tão estridente em mim, muda as estruturas da minha energia…

Hoje estou aprendendo lidar melhor com isso, tanto com o descompasso quanto com a euforia alheia. Observo que o mundo está cada vez mais visual e barulhento.

Não estou aqui para defender o certo e o errado. Mas, para chamar a atenção para as necessidades alheias.

Há pessoas que precisam fechar os olhos e imaginar, fechar os olhos escutar a voz da intuição…

Fico pensando se o silêncio também agride. Com certeza sim, especialmente o silêncio melancólico. Os tapas ocultos doem mais.

No fundo, o certo e o errado fazem parte da verdade absoluta que não existe.

O que existe é a boa vontade de conviver no consigo e contigo.

Eis a vibrAção que atinge como faca ou como fada.



e-books por Cristileine Leão

Continue lendo “A vibrAção”

Arte, poesia e filosofia

É fim de semana

A vida segue

Com ou sem armas

Com ou sem educação/

O que difere

No bem estar

É saber caminhar

Em qualquer situação/

Nossas células se transformam

Todos os dias

Tanto pelo alimento

Quanto pelo movimento/

Nossa criatividade, experiências e intuição

São magníficos instrumentos de invenções

Pouco usados/

A ousadia não é se impor às pessoas

Pelo medo, ignorância e discriminação

De “Príncipes” o mundo está cheio/

A ousadia é manter viva

A arte, a poesia e a filosofia

Ouse ver

Um mundo além das telas e das celas

Ouse ser.

Continue lendo “Arte, poesia e filosofia”

Carta aos professores de filosofia

Querido professor,

Eu sei, os dias estão árduos para você que mais do que estudar acreditou que o amor à sabedoria abre portas, mentes e forma gente que vive além do ter.

Você bem sabe, essa não é a primeira vez que a história ruma para a barbaridade.

Ainda assim, temos o exemplo socrático que ensinava em praça pública. Suas palavras jamais foram esquecidas. A liberdade e o conhecimento não morrem nem com cicuta.

Prezado professor, o mundo líquido escorre pelas mãos, tudo flui, mas somos feitos de carne e osso, com as mesmas necessidades de pão, afeto e afetAção.

Por que queremos voltar para a banalidade do mal?

Todos os dias o sol nasce e se põe, e, reconhecemos a maestria da beleza da natureza. Nossa vida busca estética e ética.

Uns são existencialistas; outros seguem os afãs de São Tomás de Aquino. Há os niilistas onde o nada é tudo, mas muitos desconhecem o super herói de Nietzsche e preferem acreditar nos super-heróis de cinema. Ter noção e responsabilidade das próprias ações é para os fortes.

Sabe professor, a verdade não está nem no mundo das ideias e nem no cetiscismo de Schopecheuer. O céu, o inferno, a cultura de massa, a lógica aristotélica, o rigor cartesiano, a virtude de Espinosa, a política de Maquiavel (melhor ser temido do que ser amado), e outros exemplos mil. São só modelos do melhor, e do pior, do que fomos e do que podemos vir a ser.

O melhor que aprendi em suas aulas foi formar os próprios conceitos. Eu sei é mais fácil ser passageiro que condutor nessa estrada. Mas, será que todos têm consciência de que a vida é única aqui e agora? E mesmo quando houver o passar, alguém amado há de ficar.

Ah professor, dizem que filosofia é tão difícil e que não serve para nada. Ah se eles tivessem minha infância e vissem um porco sendo morto por facadas e ainda assim se levantar e correr atrás das crianças. Ah se ao menos lessem “A revolução dos bichos”, de George Orwell, saberiam que a diferença não está no sistema mas na postura das pessoas.

Lembra professor de quando queimavam livros e bruxas? Do que será que o homem tem tanto medo? Por que mesmo morreu Tiradentes?

Ah se todos tivessem direito à educação de qualidade para formar cidadãos pensantes, mas preferem formar serviçais para perpetuar a coroa. Mão de obra barata essa é a realidade de quem prefere o aceitar sem questionar.

A sorte é que nunca deixarão de existir filósofos, tal como a noite não consegue apagar o brilho das estrelas.

Arroba, sinal gráfico formado por um ‘a’ minúsculo envolto num círculo aberto, usado nos endereços de correio eletrônico com o sentido de ‘em‘ (subordinação de lugar).

Professor = sinal, formado, envolto num círculo, com sentido de ‘em, mas e porém’. Ainda que subordinado ao lugar, circula o mundo.


FacebookInstagramYouTube
Siga-me nas redes sociais


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

Quem nada na filosofia?

Quadro negro escrito a giz, yes, no, igual à life.

Nessa última quinta-feira, 15 de novembro, foi o Dia Mundial da Filosofia.

Instituído pela UNESCO desde 2005, esse dia tem com o objetivo de desenvolver o pensamento crítico e a capacidade de refletir para que se haja sociedades livres e plurais.

A filosofia é um saber abrangente que estuda os grandes temas da humanidade. É uma das primeiras disciplinas a serem banidas do currículo escolar nos governos ditatoriais.

Embora muitos pensem que a filosofia é abstrata, difícil e ideológica, quem entra a fundo nas suas investigações procuram elaborar conceitos lógicos e racionais para o desenvolvimento humano.

O profissional bacharelado dessa área pode trabalhar em consultorias empresariais, crítico de arte, produzir e editar textos reflexivos, assessoria política, conduzir palestras e debates, atuar na filosofia clínica (atendimento terapêutico), etc.

Ainda assim, quem não sabe nadar e quer fica na superfície recebem muitos benefícios do banho filosófico. Até mesmo aqueles que nem entram na água, mas ficam ali na borda apreciando o fluxo do filosofar são beneficiados. Não que ela seja uma água santa, ela é o movimento no ser.

Apesar deu ter licenciatura em Filosofia, ou seja, posso ser professora no Ensino médio, não sei muito sobre esse assunto. Sei apenas o suficiente para saber da importância da ética e da beleza na sociedade.

Quem tem acesso e se predispõe a entender esse tipo de informação, agrega em si novas visões do que é valor e do que é o poder de escolha.

Aristóteles dividiu o conhecimento humano em três divisões. (Imagem Wikipédia)

Acredito que o ser humano começa a se transformar quando dá abertura para pensar e debater assuntos que não são só os seus “velhos conhecidos”. Quando saí da zona de conforto e se depara com o outro e reconhece que tudo faz parte do todo.

Assim, percebe as dualidades, mas, não deixa que tais diferenças prejudiquem o contexto maior – a existência humana.

Imagine um pilar, sua função é segurar os esforços diagonais e transferi-los para fundação. Sem fazer os cálculos estruturais, sem pensar, não há como saber se a altura do pilar suportará o peso da fraca fundação…

Por fim, para produzirem seu próprio pensar, quero dividir com vocês essa reportagem que diz que a

filosofia pode ser a profissão do futuro, do caderno Emprego e Carreiras, de UOL Economia.

Os filósofos ajudariam na programação de máquinas inteligentes, principalmente aquelas que, no futuro, precisem lidar com “dilemas morais“.

Yuval Noah Harari, historiador, autor do best-seller autor do livro Sapiens – Uma Breve História da Humanidade.

Também sugiro essa palestra do Canal Nova Acrópole, com o professor Luis Carlos Marques Fonseca. O vídeo têm duração de uma hora, quem não tiver tempo ou paciência para escutar, sugiro que escutem ao menos os 5 últimos minutos.

Um mergulho na filosofia aprimora o respirar.

Boa semana que se aproxima,

Cristileine Leão🙋🏽‍♀️

Por que devemos acreditar na humanidade?

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional