Abraço eterno

A despedida

Foi assim

Feita entre corações

Não precisou de palavras

Nem tinha pretenções

Ambos sabiam

Era o fim

Não da ligação eterna

Apenas das intenções

Assim são os desígnios

Do destino

Vida e morte

Encontros e separações

Adeus meu amor

Enxuga essa água

Da piscina

Que emana

De seu âmago

Nadarei

Nadarei

Nada

🏵 As fotos que contém a marca d’água do blog foram por mim clicadas. O verso é da música Vento no Litoral de Legião Urbana.

🏵🏵Lembrando que o “Flores cantam Poesias: fotografias e poemas”, ebook, continua lá na Amazon. Cuidado porque nele foi colocado alto grau de sensibilidade e toques de dedicação.

Compre aqui


Cristileine Leão

FacebookInstagramYouTube

Siga-me nas redes sociais


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

O encontro

A primeira vez que
Eu vi o mar
Tive aquela sensação de
“Não sei se vou ou se fico”
Tão grandioso
Que não sabia se era pra mim
Até hoje não tenho certeza
Se mar tem fim

A primeira vez que
Respirei
A primeira vez que
Conversei com Deus
A primeira vez que
Gozei

Todo dia
É o primeiro
Para quem não enxerga
O fim
Mesmo sabendo que
Nas profundezas
Há escuridão

Claro
Corri de braços abertos
Ao encontro
Na Praia Grande


Flores cantam Poesias
conheçam o ebook aqui


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

Janela querida. 

Cheguei 

Cabelos ao vento

No céu estrelado 

Constelação só formada aqui/

Sorri

Sorriso família 

Tão desejado/

Toquei

No solo que proveu

Meu primeiro ar/

Peguei 

No colo pequenas vidas

De nova geração/

Dormi

O sono tranquilo 

Na bolsa maternal/

Acordei

Com o canto dos pássaros 

Meu canto caipira/

Agora

Meu velho cachorro

Repousa aos meus pés/

Descanso da ansiedade e

Penso

Sim, vale a pena viver

Com os pés em solo sagrado

Visão da janela querida.


Brasil, Dezembro/2017.