Transformados em letras.

Tem muitos dias que achamos que estamos entre a cruz e a espada

E, estamos mesmos

Dias e dias e dias

Passam

Nós também

Muitos governos passam

Poucos fatos mudam

Isso não significa que estamos em retrocesso

A evolução anda milimetricamente e

Persistivamente

Parece que para testar nossa resiliência

Parece que para desenvolver o dom da paciência

Quando se escuta muito barulho

Lá fora

É chegada a hora

De olhar para o sino interno

Somos passarinhos

Rumo ao vento

Mas o calor do ninho é particular

Uns constroem o seu

Outros esperam pelos outros

E tem ainda a ave de rapina

Uma coisa é certa

Seremos todos transformados em letras

Nas digitais de um livro qualquer

De história

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional