Oração para se manter em pé.

Deus (seja qual a forma como você o compreende) te ama na honra e na desonra. É capaz de enxergar e compreender seus erros como ninguém mais. Te pega pelas mãos, levanta tua cabeça, enxuga seus olhos e diz ANDA. Quem te fará assim?
Ele reúne suas forças conhecidas e inimagináveis, te põe em pé e diz ANDA.

Abra seus lábios em devoção, receba graça e glória, porém, para isso tenha a sutileza de “ler as respostas” das tuas súplicas descritos “nos sinais da sua vida“: no seu corpo, alma, coração (ou seja lá qual a forma como você compreende). Vamos, Anda, compreenda-se!

Receba livramento e coragem para seguir seu caminho rumo a eternidade, você faz parte do universo que te habita, e esse universo não é o mesmo sem você, és único, portanto, não se apegue a efemeridades, aqui na Terra é tudo passageiro, um dia encontrarás o pó de novo, afinal, aquele do qual viemos.

Mas, enquanto isto não chegar, enquanto a morte você não conhecer, ainda existe ar para você respirar, torne ele puro a cada dia, respire e ande, e quando essa preciosidade que lhe foi dada, chamada vida, lhe faltar de uma vez por todas tomara que você esteja cheio de rugas, marcas, afetos, sabedoria e histórias para serem lembrados. Boa Noite.

30.04.2014

〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️

Esse texto veio direto do túnel do tempo das memórias publicadas no Facebook. Um lugar onde sabemos que guarda nosso perfil para a eternidade🤣, quer você queira ou não, quer você morra ou não. Analisando ele percebi um forte clamor/súplica inexplicado, não me lembro a situação que eu estava vivendo no momento… Mas me lembrei de uma época quando estava muito mal, quando tinha mania de escrever cartas para Deus. Esses dias achei muitas delas aqui que vieram na mudança, a famosa pasta dos textos antigos, não tive coragem e nem vontade de ler. Por vários porquês, entre eles porque hoje me sinto uma outra pessoa, porque sei que metade do que está ali não é minha voz, mas do muito que ouvi nas igrejas (o que dá pra notar no texto acima), porque eles aumentam a minha agonia que já não era pequena naquela época. De qualquer forma resolvi compartilhar esse, pois, achei que ele tem um chamado para a ação, ANDA.

Hoje posso dizer que estou numa seca espiritual, o que não significa falta de fé, como se diria em Salmos 23:4 andando pelo vale da sombra da morte. Procurando a paciência de Jó… Mas ainda ando… Sei que a fé, não digo de religião, é importante antídoto na depressão. Sei que pessoas muito mais forte que eu passaram por isso. Já ouviram falar das cartas que revelam a crise da fé de Madre Teresa de Calcutá? Não, não tenho pretensão nenhuma de santidade. Só procuro entender um pouco dos passos nessa terra.

Abaixo deixo uma música, dela que gosto muito vocês já sabem:Elis Regina, falecida em 1982, intoxicação de remédios.

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional

Matadouro.

Tento roer essa carne
Muito dura

Disseram que é bem temperada

Pode ser

Sonegaram o vencimento 

Conservantes e amaciante é lei

Meus dentes doem

Eu tento, tento

Com tão vastos campos pro sustento 

Muita mata

Foi se o ouro

Empregos viram ração 

As mandíbulas estão cansadas 

Tento do outro lado

Imito meus parceiros

Os do clareamento

Mas já estão mastigando ossos

O filé foi só pra dar água na boca

Agora pago rios de juros

Tudo perdeu o sabor

Virei o boi 

No matadouro

Brasil.

Crise no casamento e na democracia – opinião.

E viveram felizes para sempre…

Frase que tem caído em descrédito tanto nos relacionamentos pessoais, quanto nos sociais. Falo de amor e política, casamento e democracia, amor romântico e amor pela pátria, uniões e eleições.  

Qualquer um hoje em dia pode presenciar que essas instituições estão em crise e revisão de conceitos. Tanto na prática quanto nas estatísticas.

Por isso, quando algo não dá certo, temos a tendência de voltar para as antigas tradições, olhar para trás, como se na condição anterior de vida fosse melhor. 

No fundo sabemos que não, mas a dificuldade de pensar, criar, fazer algo novo é tanto trabalhoso quanto nebuloso. Assim nossa tendência é ser saudosista e procurar o que nos dava segurança no passado. 

O fato é que o mundo continua girando. O ser humano continua sendo um ser social. E suas relações tendem a amadurecer e evoluir (espero). Lembre-se que antigamente o homem caçava com pau e pedra, a mulher não podia votar, a criança não era considerada na família. Quem tinha opiniões diferentes eram queimados na fogueira ou tinham a cabeça cortada na guilhotina. Hoje nossos problemas mudaram, e nossas facilidades também, precisamos reconhecer.

Voltar a querer a ditadura, sentir rumores de guerra, apoiar regimes totalitarista, construir muros num mundo globalizado, ter exacerbado nacionalismo e pouca tolerância; desacreditar na família, achar que família se resume em papai, mamãe e filhinhos; olhar primeiro a pele e a roupa antes de enxergar a pessoa; perder a esperança e a gentileza e mil outros exemplos mais que surgiram na tua cabeça agora. Tudo, tudo isso é regressão.

Querem nos dominar pelo medo, insegurança e desesperança. Não alimente essa jogatina

Precisamos caminhar para frente, com passos firmes, deixando nosso rastro. Que seja de paz para quem vem atrás.  A Terra não tem proprietário é nossa casa temporária. Chegamos com vida e com o passaporte da morte já carimbado, é fato.

Como temos coragem de tratar uns aos outros com indiferença? Como temos coragem de maltratar esse planeta que grita por socorro? Como temos coragem de clamar a ditadura e o nazismo de volta? Como tiveram coragem de acreditar e votar em slogan populistas mundo a fora? 

Já lemos essas histórias e sabemos o legado que deixaram para a humanidade. Quantas mais separações e mortes serão necessárias para termos coragem de pensar e formar ideias melhores e diferentes?
A nossa desilusão tem sido maior que nossa coragem de mudança, nossa força de olhar para trás está sendo maior do que a de vislumbrar vida melhor para todos. 

Qual a paz que procuramos? A do comodismo ou a do realismo? É fácil delegar nosso futuro para os outros e ficar criticando se não der certo. Difícil é ser esse outro. E enquanto não assumirmos nossa posição quanto coautores da história, os aproveitadores vão fazer o que quiserem com seus sorrisos de hiena.

Ficamos esperando o mundo acontecer lá fora, reclamando como é hábito do ser humano, e achamos que nossa parte já está feita porque pagamos nossos impostos, exercemos a cidadania com o voto e até ajudamos na caridade de vez enquanto. 

Sinto muito, é pouco, muito pouco, não é só delegar nosso poder aos outros e ficar esperando cheios de expectativas. Temos que ser cidadãos atuantes com novas idéias, com fiscalização, cobrança dos nossos direitos, fazendo nossos deveres independente dos outros estarem olhando ou cobrando, a ética é exercício diário

Essa é minha opinião crítica sobre a crise nos relacionamentos e na política. Acredito que o amor romântico (casamento) e a democracia são miragens, não salvação. Que não existem respostas definitivas, o mundo é dinâmico, continua a girar mesmo sem a gente perceber. Acredito que as respostas que nos aflingem aparecem com a prática: errando, aprendendo, consertando. Temos que melhorar do ponto que estamos, para frente. Mas para tudo precisa de ação e criatividade. Mão na massa e ouvidos na intuição. Já se foi o tempo de esperar tudo cair do céu, ou, de querer voltar comer o pão que o diabo amassou.

Dê sua melhor luz para a Terra.

Salve, salve.

O rasgo é profundo no seio da pátria

feriu foi a fundo, seu povo em desgraça.

Nos olhos o pranto aonde era luz

vitória e conquista ao pó se reduz.

No sul lava-jato, nordeste na seca

o povo heróico tão jogado à suspeita.

Oh pátria amada que na veia injetou

a droga maldita a gana ao dindim

que rouba esperança do berço ao fim.

Sorriso deu vez à desilusão

carnaval, futebol, bunda: o quê há de vir?

Será que os filhos teus não fogem a luta?

Duro fardo corrosivo a explodir.
A crise ergueu bandeira, postada meio-mastro

nem ordem, nem progresso

Consumismo plantou, colheu recesso.

Do barro de Mariana

ao churrasco com papelão

além da Amazônia esquecida

praonde caminha verde amarela nação?

Diz que dos filhos desse solo és mãe gentil , mas põe dinheiro na cueca

oh pátria amada, idolatrada, que confusão

Mãos ao alto, grito de socorro

quem está preso é o povo.

Tanto imposto vai para desgosto

todo fruto do trabalho horas afio

está longe desse solo

foi para fora do Brasil.

Preocupam com a dívida externa

esquecem do seu bem real

cidadão satisfeito com sua terra

É Puro Valor Leal.

Sentem orgulho da educação disseminada

mas que tipo de filho ela formou?

cidadão para um mundo justo

ou um bando de rôbo?
Insuportável depressão

física, moral e cívica

por agora chega de pensar

vou tricotar para relaxar.

Quatro tricô, quatro meia

repete quatro vezes, inverte

quatro meia, quatro tricô

o resultado são lindos blocos unidos.

Blocos construídos ponto a ponto

sinto que uma outra geração

segura minha mão nesse caminhar

ao impensável da criação

Surge um novo modelo.

Vamos tricotando Brasil

cada ponto um movimento

juntos irá aquecer a Terra.

O tempo não pára – Cazuza.

A tua piscina está cheia de ratos / Suas ideias não correspondem as fatos / O tempo não pára…