Dos cegos do castelo

O vento despenteia

O tempo esvai como areia

Levada das dunas

Vidas/

O tempo e o vento

Invisíveis e implacáveis

Como o bem me quer

E o mal me quer

Da margarida/

Flor que a cada estação nos diz

Não estacione

Nas maravilhas

E nem nas amarguras

Da vida/

Na contemplação do hoje

Vemos

Castelos destruídos

Em reforma

Para o passeio

Dos futuros caminhantes/

Enquanto isso

A presença e o sorriso

Vão nos perpetuando

No cósmico

Incrível e indizível/

Löwenburg, Deutschland / Castelo do Leão, Alemanha


Título alusão à música:

Titãs – Cegos do Castelo

Eu não quero mais mentir
Usar espinhos que só causam dor
Eu não enxergo mais o inferno que me atraiu
Dos cegos do castelo me despeço e vou
A pé até encontrar
Um caminho, o lugar
Pro que eu sou



e-books por Cristileine Leão

Continue lendo “Dos cegos do castelo”