Depressão com Poesia

Dia Internacional da Saúde Mental

Hoje é o Dia Internacional da Saúde Mental, isso quer dizer que o Brasil e o mundo deveriam estar debatendo sobre esse assunto que tanto provoca nossa sociedade.

Mídias, escolas, governantes, clubes, organizações, cidadãos hoje e sempre precisam reconhecer e praticar o “bem estar”.

Falo sobretudo sobre o Brasil que lidera o ranking de depressão e ansiedade na América Latina. Comparando com as demais partes das Américas (central e do norte), o Brasil fica em segundo lugar atrás apenas dos Estados Unidos.

Por que será que seguimos tanto o sonho norte-americano?

Saúde mental vai muito além de tratar dos transtornos do humor e do comportamento.

Saúde mental é ter consciência de nosso função pessoal e social e fazer de tudo para nosso desenvolvimento enquanto ser e humanidade.

Saúde mental é transdisciplinar, para cultivá-la é preciso a sintonia com o corpo (alimentação, movimento, hobbies); com a alma (senso de contribuição, realizações, pertencimento); com o espírito (confiança, esperança, plenitude). Só para citar alguns exemplos.

Mas, como algo tão amplo pode fazer parte de nosso dia a dia?

Simples, começando: começando a se cuidar, começando falar, começando pedindo ajuda. Aceitando: aceitando sua condição, aceitando ajuda, aceitando que algumas coisas irão mudar e que outras não, aceitando que não temos o controle sobre tudo e que a perfeição asfixia.

Começando e aceitando, do mais tudo irá tomando rumo e prumo porque um passo complementa o outro.

Todavia, não há como falar de saúde mental sem falar de suicídio, quando a pessoa questiona o valor da vida, desacredita na humanidade e toma uma atitude “permanente” para acabar com uma dor “temporária”. Poderia ficar aqui horas descrevendo esse assunto. Mas, deixarei a dica de um vídeo e um texto (os melhores que vi nesses dias).

É um vídeo animado do ótimo canal “Epifânia Experiência”, com o tema:

Qual o sentido da vida? O mito de Sísifo por Albert Camus. Fiquei até com mais com vontade de ler esse livro.

Albert Camus, filósofo, 1913-1960

Frase que mais gostei:

Por acaso o absurdo da vida faz com que a arte seja menos bela, a comida menos saborosa, o sorriso menos contagiante, a felicidade de quem amamos menos deliciosa, a virtude menos admirável, o sexo menos prazeroso?

Além do controle

Três fatores estão além do nosso controle, apesar de termos a sensação de dominá-los: o tempo, as circunstâncias e os outros.

Quando eu tiver isso, eu vou fazer aquilo.

Se minha vó não tivesse morrido, ela estava viva.

Eu sei que ele vai parar com isso.

Seguimos nas ilusões da mente que mente. E, na maioria das vezes, nos deixamos enganar.

Olhando para o espelho e esperando a resposta que somos os mais bonitos do mundo. Nem que para isso seja necessário tirar o coração de alguém.

Espelho, espelho meu, existe alguém mais conformado que eu?

Assim vamos, achando que dominamos o tempo, as circunstâncias e os outros. Sem conseguir olhar na lagoa.



e-books por Cristileine Leão