Dia Internacional da Saúde Mental

Hoje é o Dia Internacional da Saúde Mental, isso quer dizer que o Brasil e o mundo deveriam estar debatendo sobre esse assunto que tanto provoca nossa sociedade.

Mídias, escolas, governantes, clubes, organizações, cidadãos hoje e sempre precisam reconhecer e praticar o “bem estar”.

Falo sobretudo sobre o Brasil que lidera o ranking de depressão e ansiedade na América Latina. Comparando com as demais partes das Américas (central e do norte), o Brasil fica em segundo lugar atrás apenas dos Estados Unidos.

Por que será que seguimos tanto o sonho norte-americano?

Saúde mental vai muito além de tratar dos transtornos do humor e do comportamento.

Saúde mental é ter consciência de nosso função pessoal e social e fazer de tudo para nosso desenvolvimento enquanto ser e humanidade.

Saúde mental é transdisciplinar, para cultivá-la é preciso a sintonia com o corpo (alimentação, movimento, hobbies); com a alma (senso de contribuição, realizações, pertencimento); com o espírito (confiança, esperança, plenitude). Só para citar alguns exemplos.

Mas, como algo tão amplo pode fazer parte de nosso dia a dia?

Simples, começando: começando a se cuidar, começando falar, começando pedindo ajuda. Aceitando: aceitando sua condição, aceitando ajuda, aceitando que algumas coisas irão mudar e que outras não, aceitando que não temos o controle sobre tudo e que a perfeição asfixia.

Começando e aceitando, do mais tudo irá tomando rumo e prumo porque um passo complementa o outro.

Todavia, não há como falar de saúde mental sem falar de suicídio, quando a pessoa questiona o valor da vida, desacredita na humanidade e toma uma atitude “permanente” para acabar com uma dor “temporária”. Poderia ficar aqui horas descrevendo esse assunto. Mas, deixarei a dica de um vídeo e um texto (os melhores que vi nesses dias).

É um vídeo animado do ótimo canal “Epifânia Experiência”, com o tema:

Qual o sentido da vida? O mito de Sísifo por Albert Camus. Fiquei até com mais com vontade de ler esse livro.

Albert Camus, filósofo, 1913-1960

Frase que mais gostei:

Por acaso o absurdo da vida faz com que a arte seja menos bela, a comida menos saborosa, o sorriso menos contagiante, a felicidade de quem amamos menos deliciosa, a virtude menos admirável, o sexo menos prazeroso?

Continue lendo “Dia Internacional da Saúde Mental”

Além do controle

Três fatores estão além do nosso controle, apesar de termos a sensação de dominá-los: o tempo, as circunstâncias e os outros.

Quando eu tiver isso, eu vou fazer aquilo.

Se minha vó não tivesse morrido, ela estava viva.

Eu sei que ele vai parar com isso.

Seguimos nas ilusões da mente que mente. E, na maioria das vezes, nos deixamos enganar.

Olhando para o espelho e esperando a resposta que somos os mais bonitos do mundo. Nem que para isso seja necessário tirar o coração de alguém.

Espelho, espelho meu, existe alguém mais conformado que eu?

Assim vamos, achando que dominamos o tempo, as circunstâncias e os outros. Sem conseguir olhar na lagoa.



e-books por Cristileine Leão

Continue lendo “Além do controle”

Reflexões sobre o julgamento

“Cada vez que julga alguém, a única coisa que faz é expressar a sua opinião pessoal, e isso é uma perda de energia, é puro ruído. Julgar é uma maneira de esconder as nossas próprias fraquezas.”

Hoje foi um daqueles dias revigorantes de receber uma amiga para almoçar, bater papo, trocar figurinhas, dúvidas, realizações e julgamentos. Tanto da nossa própria vida, quanto das dos outros que nos cercam. Foram tantas informações que depois pensei: na essência somos todos iguais com nossos anseios e medos.

Dessa conversa, da notícia se liberam ou não o Lula para ir no enterro do neto dele, do gostar ou não do Carnaval; o mesmo fio da meada: o julgamento.

Estamos a todo momento julgando ou sendo julgados. Isso ao mesmo tempo que incomoda, nos leva à ação que nem sempre é positiva. Muitas vezes é reativa, impulsiva e danosa.

Temos essa mania de defender bandeiras sem se colocar no lugar do outro. Temos a dificuldade extrema de aceitar certas atitudes dos outros.

Principalmente naqueles casos de família (todo mundo tem o seu) que sabemos que não terá solução ou mudança. Então, vestimos nossa capa de herói ou de bandido:

insistimos, brigamos, desistimos, reatamos, rompemos, criticamos, julgamos e julgamos, mas raramente aceitamos o fato como ele é

É um círculo vicioso que não leva ninguém à lugar nenhum. Ou melhor, não nos permite evoluir com fluidez como espécie e sociedade.

O ser humano é muito cabeça dura, deve ser por isso que esses movimentos de Open Mind, Mindfuness, Mindset (sempre usam nomes estrangeiros para valorizar), e muitos outros que trabalham a mente e o comportamento têm ganhado tantos adeptos.

Depois de nos debatermos muito, aí que vamos procurar ajuda e descobrir que o que temos que mudar é nossa maneira de pensar e agir, e não o outro, ninguém muda se não compreende o que lhe afeta. Parece simples, mas nomear o que nos afeta é muito difícil porque não queremos aceitar.

Vejo por mim, primeiro nem passava pela minha cabeça que estava depressiva, depois que desconfiei não queria aceitar, então, achava que podia lidar tudo sozinha. Aí fui afastando as pessoas, depois fui me afastando delas, depois fui bebendo para me suportar e ficar no meio delas… e isso só foi crescendo até ficar insuportável.

Quando aceitei que tinha algo de errado comigo e procurei tratamento, tudo começou fluir melhor. O auto julgamento não virou mais culpa.

No entanto, o julgamento alheio continua em pensamentos como:

“Como podem gostar de Carnaval se tantas aves são sacrificadas por causa de suas penas?”

Até ler que de uns anos para cá foi proibida a comercialização de penas, que a maioria são sintéticas, e que o Carnaval emprega e diverte por mais que eu não goste dele.

Enfim, a informação, a busca de aprimoramento e a mudança de comportamento, nos fazem andar, ainda que por passos muito lentos.

“Não force, manipule ou controle o próximo. Converta-se no seu próprio Mestre e deixe os demais serem o que têm a capacidade de ser.”

Os textos em destaque fazem parte do TAO – A Sabedoria do Silêncio Interno, que pode ser facilmente encontrado no Google ou YouTube.

Boa folia! A minha já começou com as marchinhas no instagram: @cristileineleao


Flores cantam Poesias
conheçam o ebook aqui


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional