Risos, com o psiquiatra.

● Conte me como está passando com a redução de um dos antidepressivos Frau Leão.

■ Então, estou bem, nem muito eufórica e nem muito para baixo. Tenho as variações de humor que considero normal, essa última semana foi difícil, acredito que por causa da TPM e do planejamento das férias das crianças que se aproximam.

● Muito bom! Fale o que aconteceu de mais positivo.

■ Completei um ano de blog e emagreci dez quilos em três meses.

● Como? De que jeito?

Nesse momento percebi que ele deu uma olhada para ver se confirmava o relato, risos, imagino que ele não deve ter percebido nada já que aqui temos que andar com diversas camadas de roupas, tal como uma cebola, para se proteger do frio. Ainda assim, só pelo olhar notei que ele ficou muito interessado em saber minha técnica milagrosa. Então lhe disse:

■ Foi uma junção de esteira todos os dias, reeducação alimentar e baixei um aplicativo para controlar calorias.

● Interessante. E quantas calorias está comendo por dia?

■ Mil e quinhentas.

Ele anotou tudo no prontuário.

● Okay. Fale agora do que mais está lhe incomodando.

■ Sem dúvida a linguagem, nem falo do alemão, mas do inglês que mais preciso. Estudo essa língua intensivamente desde que mudei para cá, e quando preciso falar eu travo. As pessoas não entendem minha pronúncia, não tenho agilidade para buscar as respostas, fico pensando no tempo verbal correto e as palavras não saem. Só que agora isso tudo não me impede como antes. Vou nas reuniões e encontros da escola das crianças. Participei de um curso de artes ministrado em inglês onde tive que dar uma mini apresentação. Não foi o embaraço que eu pensava, mas não sei se entenderam a minha mensagem. Quero dizer que tenho me exposto mais, entende?

● Entendo. A senhora se acha uma mãe suficientemente boa?

■ Sim, na medida do possível.

● A senhora está feliz em escrever no seu blog?

■ Muito.

● O que a senhora acha desse emagrecimento?

■ Excelente, mesmo porque isso nos deixa com mais energia, me deixa bem dentro da própria pele. Sei que é muito esforço e vigília, mas antes emagrecer assim do que daquele jeito (na depressão) aonde nem sentimos o prazer da comida.

● Veja bem. Mãe, blogueira, dieta, mais energia. A senhora entende que não dá para ser boa em tudo?

Fiquei quieta.

● Respeite seu tempo e seu jeito. Uns tem mais facilidades numas coisas, outros em outras.

Fiquei quieta.

● A senhora está entendendo o que eu estou falando?

■ Sim doutor.

● Então isso quer dizer que o seu inglês já dá para ir ao médico na Alemanha.

Rimos.

Sai do consultório com a prescrição de tomar um dos antidepressivos dia sim, dia não. Permanecer com o outro em dose integral. E acima de tudo: observar as reações do e no meu ser.

Confira também esses outros posts sobre minhas consultas psiquiátricas:

O que é a vida real?

Pronto falei

Cortina ao vento

Na sala de espera

Abraços cristalinos,

Cristileine Leão.

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional