Poema cerebral

Tudo o que vejo é do avesso

Procuro recomeços

Além do cérebro reptiliano

Caio no campo das emoções

Caio, deito, não saio

Enquanto a dor não der seu xeque mate

Levanto exaurida

Apesar da dor há vida

Celebro o cérebro trino

Quando chego na cognição

Sabendo que o corpo que existo

É um rarefeito canal de muitas lições

Hora de dormir

Quando aí sim

Quem sabe descobrir

O porquê vim.


Segundo o neurocientista Paul MacLean, em sua teoria do cérebro trino, desenvolvida na década de 70, nosso cérebro é divido em 3 partes:

  • Repteliano: vem de répteis, diz respeito aos nossos instintos animais, aquilo que não domamos.
  • Límbico: ligado as nossas emoções e comportamento sociais. Eu diria um campo minado e molhado😂
  • Neocórtex: o que nos diferencia dos demais animais, racional, cognitivo. Com o qual podemos adquirir conhecimentos e mudar nossa realidade.

<cite>

Nós somos (só) o nosso cérebro?

O que: Neurociência: Nós somos o nosso cérebro?

Quem: filósofo Francisco Ortega.

Onde: Café Filosófico, CPFL Cultura.

Quando: 05.04.2019

Por quê:

Este “Em Pauta” é para os fortes, risos, quero dizer aos fortes de paciência já que o vídeo tem quase duas horas de duração com um sotaque espanhol.

Digo isso porque hoje está tudo tão instantâneo, como se em quatro minutos preparassemos uma refeição de qualidade. Como se numa mastigada nas informações nosso corpo já obtivesse os nutrientes necessários.

Mas vamos deixar esse papo de cozinha, afinal é nela que escuto a maioria dos vídeos, e vamos ao que interessa.

O que é essa tal visão neurocêntrica?

Vamos separar a palavra para ficar mais fácil o entendimento, essa técnica aprendi nas aulas de alemão para compreender aquelas imensas palavras juntas.

&amp;amp;amp;amp;amp;lt;u&amp;amp;amp;amp;amp;gt;&amp;amp;amp;amp;amp;lt;/u&amp;amp;amp;amp;amp;gt;

Procura-se

Fiz um rasgo no chão

De fora a fora

Olhei a cicatriz

Que jamais sairá

Chão não tem queloide

Que sorte/

Bati a cabeça na parede

De propósito

Parede não tem cérebro/

Nem a dureza das construções

Nem a fragilidade corporal

Poderiam me entender

Viver dói/

Presa no tempo e no espaço

Que escreveu

Escreve escrava

Escrevi

De cicatrizes e cérebros

Cavando e cavada

Por poesia.


Reserve já


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional