Bailarina.

Sou como a bailarina

Que fica dançando na caixinha de música

Ela um ser inanimado

Eu aprendendo a ser animada

Ela esperando alguém para lhe dar corda

Eu descobrindo como se dá essa corda

Ela feita para os sentidos

Eu feita para sentir

As caixinhas de música saíram de moda

Eu também

As bailarinas continuam a dançar

Enquanto houver música

Estamos nesse eterno rodar

Na ponta dos dedos

Exibindo graciosidade

Em cima da dor

Nos disseram que vida é movimento

Então eu tento, tento, tento

Sair da caixinha.

Leia também: Bailarina de fogo

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional