Céu azul.

Olhei para o céu

Finalmente estava azul hoje

Soltei nele meu barco

Naveguei, naveguei, naveguei

Passei por pássaros, nuvens e aviões

Passeei na saudade

Meu olhar engolia a imensidão

Enquanto ela me envolvia de serenidade

Nessa navegação não procurava

Especiarias, ouro ou terras

Já te encontrei

E isso é tudo

Soltei as velas

Não preciso mais delas

Nesse azul me encontrei

querendo me perder

Nesse céu

Vi você

E você me fitava.

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional

Despir à deriva.

Barco à deriva.

Quantos estão ali?
Em silêncio
Observo da sacada
O que fazem?
Hora de jantar
Amor?
Flutuam na imensidão
Como eu
À desejar calmaria
Frita no azul
Que me olha
Sem me entender
Somos um
Toca o sino
Sem parar
Mas só escuto o trânsito
E o som dos Despacitos
Enquanto há o eterno retorno
Ondular das ondas
Não sei dançar
Nem cantar
Nem nadar
Só sei olhar para o mar
E entender
Que nada sei
Grande azul
Diante dessa aqui
Sua pequena e nua

Cris.

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional

Cantamos o mesmo som.

“Tudo azul Adão e Eva

E o paraíso

Tudo azul

Sem pecado e sem juízo“.🎼🎼🎼

O que seria a vida sem pecado e sem juízo? Já pensou?

Entregues ao puro som do subconsciente. Paraíso, inferno, algo muito além do que isso, ou, o simples nada.

Para que tudo sempre precisa ser alguma coisa? Com cargas e irrealidades.

Em vez de flutuar, nos amarramos na profundezas da água.

Essa nossa mania de nomear tudo tentando dominar o mundo, tomando posse, juntando propriedades, nos deixa frágeis diante dos afetos. Quando vemos a maçã não sabemos se comemos ou corremos. Quando encontramos com a cobra não identificamos seu perigo e nem sua utilidade na natureza.

Ei seres pensantes. O que seria de nós se descobrissemos tudo do que somos capazes? Gozariamos em união dos corpos entrelaçados, ou, sentiriamos vergonha da nudez?

Tão esculturais somos perdidos em mitos e ritos que não temos tempo e nem coragem de mexer no quem sou. Fazendo que está tudo azul.

E a vida passa, desconhecidos somos, desconhecidos estamos cantando no mesmo som.

“E todo dia livre

Dois passarinhos

Cantar

Para esse amor

Super star

Sempre com tudo azul.”🎼🎼🎼

* Atenção esse texto pode parecer para o amor romântico, mas na realidade pensei no valor da humanidade. No amor (ou falta dele) que pode nos deixar loucos, ou, nos fazer super estar. Pólos que não deixam os passarinhos voarem.

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional