Paisagem, passagem e paz

Querido cume,

Por que há tanta neblina em ti?

Desde o primeiro choro

Começou a escalada

Têm horas que acho que estou perto

Ilusão

Chega a avalanche

Fico sem visão

Ainda zonza

Levanto

Até quando?

Até quando?

Há sufocar

No ar rarefeito

Dessa busca incessante

Das grandes altitudes do ser

Para enfim contemplar

Que tudo em mim é

Paisagem

Passagem e

Paz.

Leia também: Poema Místico

Raiva e depressão

O que: Raiva: devemos mesmo controlar?

Quem: psquiatra alemã Heidi Kastner

Onde: DW – Futurando, repórter Hanna Wick.

Quando: 24.04.2019

Por quê:

Ira, fúria, cólera, todas sinônimo de raiva. Daqueles momentos de descompasso que na maioria das vezes causa embaraço. Segundo essa psquiatra a raiva é importante para conhecermos a nós mesmos.

A reportagem traz uma animação para nos mostrar como a raiva afeta o corpo e como reagimos. Achei bem interessante a parte que ela diz que um dos sinais é levantar o queixo. Nunca tinha reparado.

Outro ponto, é que esse sentimento ancestral só é percebido quando temos conexão visual.

Os olhos, sempre os olhos, revelando nosso ser.

Destaques da fala da psquiatra:

Se não transmito minhas emoções não informo aos outros meu estado de ânimo.

Quando você se entrega, reconhece e a usa, a raiva é um motor para mudança, para a auto reflexão, para uma interação autêntica.

Concordaram com ela?

E o que fazer numa sociedade que conclama a repressão? Que nos empurra aos braços da depressão?

Fiquei pensando, muitos casos de depressão é a soma de muita raiva contida. E quando a pessoa entra nesse buraco, a raiva fica ficha pequena. Sabem o porquê?

Porque numa depressão profunda o que a pessoa mais sente é indiferença por tudo e por todos. E isso dói.

Clique no link abaixo para assistir a reportagem:

Raiva: devemos mesmo controlar?

*Atenção: esse não é um estímulo para o “Vamos quebrar tudo”, mas sim para pensarmos em nossos sentimentos e ações.


e-books por Cristileine Leão

Continue lendo “Raiva e depressão”