Depressão com Poesia

Ser gentil

Literalmente minha vida começou aos 40, hoje completando mais 2 anos dou os primeiros passos e aprendo a falar.

Coincidência ou não, isso acontece paralelamente ao início do tratamento da depressão. Com ele assumi que precisava de ajuda, que estava disposta a mudar, que algo de estranho ocorria com minha personalidade, sentimentos e ações.

Assim, comecei olhar para tudo do lado de fora e perceber que precisava ser mais gentil com o lado de dentro.

Nessa busca o melhor encontro foi com a poesia, ela sempre existiu dentro de mim, mas, por causa dos cuidados e demandas da vida deixei de ver, sentir, ouvir e escrever.

Nesse aniversário percebo a importância da caminhada, ouço o canto dos pássaros, vejo a variedade das flores e o sorriso nos outros a cada bom dia dito.

Nascemos para o movimento, o movimento gera energia, a energia gera ação, e as consequências das ações nos dita o caminho.

Hoje pedi para a minha mãe comprar a vela de 42 anos, quero soprar a velinha enquanto ainda tenho o sopro. O fogo se apaga na esperança do próximo parabéns.

E saber que por muitos anos passei sem acender a chama, ou porque tinha colocado fogo no bolo, ou porque achava sem graça e funcionalidade das datas comemorativas.

Realmente estamos aqui para aprender que tudo tem o sentido ao qual lhe damos. Hoje estou repleta de gratidão, um sentimento pleno e puro que estava adormecido diante de tantas camadas de dor e auto proteção.

A gratidão só se manifesta aonde há vida, a depressão é o oposto de vivacidade. Para mim, a poesia foi (é) o elo entre a sombra e a luz.

E para você? O que te faz viver?

Claro que continuo com muitos desafios como o da socialização, o da exposição, de metas, de focos, realizações… o que mudou foi o olhar e a disposição para o enfrentamento.

Tudo se resume em ser gentil, ser gentil consigo, ser gentil com os outros, ser gentil com a Terra.

Expressando em parábolas, do que belamente cantou Elis Regina na música “Como nossos Pais“:

eu bem sei da ferida viva do meu coração,

mas
meus braços, meus lábios e a minha voz foram feitos para abraçar e beijar.

Por mais que eu ame mais escrever do que falar, eu não quero apenas lhes falar das coisas que aprendi nos livros

pois,
viver é melhor que sonhar e
qualquer canto desse mundo que já conheci é bem menor do que a vida de qualquer pessoa.

O novo sempre vem.

Para quem quiser saber o sabor do bolo, será de olho de sogra. Risos. Nada pessoal, adoro beijinho com ameixas.

Obrigada pela leitura e pela presença pessoal🙋🏽‍♀️

Cris.

Leia também – O valor da cor – post do aniversário passado

Anúncios