Depressão com Poesia

Síndrome do abrigo vazio.

O que nos separava
Era um pedaço de vidro quebrado/

Te vi parti
Por aquela imensa porta
Feita de muitos retângulos de vidro
Me parti/

Nada estava transparente para mim
Não sabia se você voltava
Duvidei que me amava
Chorei de peito rasgado
Queria quebrar todos
Aqueles outros vidros inteiros/

Ao redor, estranhos me olhando
Outros brincando avessos às minhas dores
Gritei o seu nome
Por aquele pequeno buraco cortante/

Você me deu as costas
Sua última sombra marcada no chão virou a esquina
Eu estava assombrada
Nesse primeiro de muitos vindouros sofrimento da separação/

Quando acabaram as lágrimas
Peguei a chupeta
Dormi de cansaço/

Acordei com sua voz
Dizendo meu nome
Na fila de espera da creche.

*Baseado em fatos reais 🤣, sofri demais quando minha mãe me deixou na creche a primeira vez porque ela precisava trabalhar. O título é uma referência à Síndrome do ninho vazio.

Abraços, 🙋🏽‍♀️

Cristileine Leão.

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional

18 thoughts on “Síndrome do abrigo vazio.

  1. Oi Jenny, bem vinda. Essa imagem ficou marcada na minha cabeça, bem como, quando eu sai de casa para estudar e minha mãe ficou chorando…é a vida. Vou já conhecer a sua Mente Voadora. 🙋🏽‍♀️

  2. Seus poemas são pura inspiração Nietzschiana… ou seria de Hannah ou Heideggeriana? Os alemães pensadores lhe despertaram o filosofar…quando escrevi “pai de menina (pequena)” em homenagem à minha filha Sofia, singelamente retratei uma experiência cotidiana é o meu segundo poema mais lido no Blog….este seu deverá ser o mais lido no seu…maravilhoso…

  3. E as mães choram por dentro quando viram as costas nesse dia. E não podem olhar para trás, haja choro ou não a entrar nos seus ouvidos.
    Bonito poema!

  4. As memórias nos tras boas histórias. Fico feliz por abri um espacinho pras minhas escritas, sou nova mas tenho muitos sonhos na literatura.

  5. Parece redundância falar siga seus sonhos, mas abandonei os meus pelas atribuições da vida, fui até ficar doente…e voltar a escrever. Então escreva, escreva e escreva. Remédio pra alma. Abraços 🙋🏽‍♀️

  6. Olá Cristileine… eis o link. Se não conseguir visualizar, vá ao final da página, na categoria: poética vitae… nela está o poema. Obrigado pelo interesse. Fraterno abraço.
    estevamweb.wordpress.com/2017/08/10/pai-de-menina-pequena/

  7. Ahh, Cristileine vir aqui é uma delícia, difícil é conseguir sair…kkk Admiro demais seu talento com a escrita,pois até quando escreve sobre experiências tão difíceis como esta,onde os filhos ficam chorando e nós partimos de mesmo modo, sabe usar a dose exata para nos encantar até o fim da leitura! Parabéns e muito sucesso! Um beijo

  8. Visto. Gostei demais da parte tornar-se avô antes do tempo, risos. Logo mais terá o poema ser pai de menino pequeno. Também tenho um casal, isso é fascinante. 🙋🏽‍♀️

  9. Minha pequena Sofia, gosta que eu diga a ela que meus poemas são todos para ela…as crianças são as verdadeiras filósofas…

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: