Depressão com Poesia

Ressaca

Bebi demais

Não percebi

Passei dos limites

Reinou tontices

Vibrou torturas

Perdi o prumo

Cai no vão

Fiquei sem rumo

E sem visão

Vomitei

Toneladas de desafetos

Saiu com bile

Amargo o fardo

Como viver nessa confusão?

Queria

Rasgar o corpo

Tirar o cérebro

Tudo sem gosto

Estômago no vão

Coração sem laços

Sem ver graça nos fatos

Não levantei

Só recusei

Embriagada

Sem conseguir pensar em nada

Que pudesse me tirar do banheiro

Sentada no ralo

Chorei litros

Revoltada com a vida amargurada

No si só

A água invadiu meu apartamento

Minhas amigas me deram banho

Adulta, casada, formada

Tive que dormir entre os pais

O carro foi lavado de vômito

Respingou em todos

Houve risos certeiros e medonhos

A alma querendo voar

Sem pluma

Sem afeição

A suma secou

O céu também

Esmoreci

Transfigurei

Perdi a voz

E a consciência

Cai de novo

Tudo queimava

Na solidão

Tudo escuro

Na contramão

Acordei de ressaca

Aquela

Ressaca da depressão

Que mata

Mas

SOBREvivi

Foram anos de repressão

Até sacar

Beber ou não

Só por hoje não beberei

Agora sigo o A.A.A.

Autoconsciência

Autoestima

Autocontrole

Dirijo o carro da vida

Entre pistas sinuosas e

Belas vistas

8 thoughts on “Ressaca

  1. Quantas vidas vivem assim e não apenas por um dia… repetem não o bi bi, mas, o bis bis do vício que as impedem de viver na lucidez, inclusive, da dor…

  2. A ressaca da depressão é muito mais terrível e limitadora do que qualquer outra ressaca. A ressaca do tempo ou da bebida passam sozinhas, a da depressão não…

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: