Depressão com Poesia

Quer sim, quer não

Parece que gostamos de sofrer
por falta de antecipação

Veja bem

Todo dia

O trem tem sempre o mesmo horário de partir

Ainda assim

O que mais se vê

São pessoas correndo
para não perder a partida

O trem vai

Quer a gente corra

Quer não

Quer a gente sofra

Quer não

Pare de rodear o que quer

Vá direto ao ponto

O trem não espera

As estações passam

Até a hora de partir

Quem verão

Os sonhos

Nas janelas embasadas

Do inverno?

9 thoughts on “Quer sim, quer não

  1. Ah, o trem aqui em Minas é tanta coisa que, por isso, o mineiro, é desconfiado, pois se for correr atrás do trem terá que correr atrás de tudo… rsrrsrsrs… apenas uma outra percepção do trem… Seu poema alerta-nos para o comportamento humano… mas, é que aqui em Minas, até isto é trem… rsrsrsrsrs

  2. “Quem verão os sonhos nas janelas embasadas do inverno?”

    Há fases em que tudo ao nosso redor se assemelha à janelas embasadas em um rigoroso inverno sem fim. Assim, quem verá o verão que despontará no fim de mais um ciclo das estações? Aliás, sempre haverá um verão!

    PSICODELIA CAPSIANA

  3. Nunca entrei num trem, dizem que lá em Minas é que estão os/as especialistas nesta maravilha, bambas das paralelas de ferro e aço – ferraço. Ò, dizem que o mundo é grande, redondo, frio e quente, e – pasme – tem seres humanos ! Devo então, primeiro, ir até Minas; depois, ao Mundo.

    Tenha um domingo de trem a caminho. Um abraço.
    Darlan

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: