Depressão com Poesia

Procura-se

Fiz um rasgo no chão

De fora a fora

Olhei a cicatriz

Que jamais sairá

Chão não tem queloide

Que sorte/

Bati a cabeça na parede

De propósito

Parede não tem cérebro/

Nem a dureza das construções

Nem a fragilidade corporal

Poderiam me entender

Viver dói/

Presa no tempo e no espaço

Que escreveu

Escreve escrava

Escrevi

De cicatrizes e cérebros

Cavando e cavada

Por poesia.


Reserve já


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

7 thoughts on “Procura-se

  1. Coisas inanimadas servem como um refúgio para nossas sensações. Eu gostei do seu grande poema. Muito lindo.

  2. Ao invés de rasgar ou bater, sugiro derreter no chão ou misturar-se à parede. O que acha?

Sua opinião agrega: comente aqui 🔄

%d blogueiros gostam disto: