Lavandas

Nunca pensei

Que eu viesse morar em terras de lavandas

Nasci onde o sol brilha todos os dias

O céu é anil com suas nuvens de algodão

Nas quais eu fazia desenhos mentais

Uma vaca

Uma casa

Um trem que partiu correndo

E deixou de existir

Tudo ficou registrado

Na memória afetiva da criança que fui

Lavandas encantam

Pela beleza, cor, forma, cheiro

Todavia

Sobrevivem apenas em clima frio

Quando nos olhamos à primeira vez

Foi identificação imediata

Lavandas são roxas

Eu sou jambo

Só na pele

Que cor será a lavanda

por dentro?


Ainda irei nos campos de lavandas na Provence, ah se irei. Quando isso acontecer, coloco fotos aqui para vocês. Enquanto isso, vou me contendo com os vasos, os canteiros de ruas e a essência de lavandas.


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

7 comentários

  1. A natureza com sua audaciosa beleza resplandecente faz morada em ti, toca-lhe a alma e você a traduz em magnificas palavras. Um abraço do Poeta Carvoeiro!

Diga-me a sua opinião?