Depressão com Poesia

Galinha d’angola.

Preta ou branca

Branca ou preta

Não importa

O encanto é o mesmo

No embaraçar de olhos

Entrelaça a visão da alma

No seu mistério único

Perfeito em bolas, listras e penas 

Ainda que o canto seja

Tô fraco, tô fraco

Estamos em plena vida

Que poeta és tu

Galinha d’angola 

Que encanta o quintal

Cantando o que escondemos

Do próprio pensamento 

Tô fraco, tô fraco

Agitada, barulhenta

Inconfundível guardiã 

Via minha mãe arrancar 

Muitas penas

Menos as tuas oh preciosa

Galinha d’angola

Imagem interior da infância 

Quando corria atrás de ti e o

Tô fraco, tô fraco

Era só um canto no quintal.

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: