Depressão com Poesia

Fábula IV – Do isopor.

styrofoam-551295_1920
Isopor

Ele era um pedaço de isopor velho levado pelo vento. Mesmo sendo leve, resistente e impermeável, ele não perdoava os erros dos outros, então voava para disfarçar o sofrimento próprio e alheio. Ele não parava nas mãos de ninguém porque as sujava com as marcas do julgamento.

O isopor voou e voou por léguas, até trombar com a porta de uma igreja e se despedaçar em pedaços mil. O padre assustado sentiu cheiro de pecado no ar, correu para a porta, que fica entre o céu e o inferno, e tentou reciclar o material perdido com toda a sua oratória, usou também incenso, vinho e até água benta.

Aos poucos o isopor foi se reconstruindo e tomou a sua forma fenomenal de isolante térmico e acústico, voltou a ser o voador, o dono da verdade.

Perspicaz e cismado como só era aquele poliestireno, logo se fez imponente e incontestável. Então, começou voar no confessionário e delatar tudo o que ouviu, e tudo o que não ouviu, enquanto estava contido por lá.

O sacerdote havia esquecido que não tinha a capacidade do isopor, pois, no isopor não se prolifera a criação de microorganismos. Já nos homens…

No topo, o isopor fez o padre lhe pedir perdão.

E assim termina uma estória, que nunca se fez, que não tem moral, que nunca ninguém contou.
Leia Mais:

Fábulas IIIFábulas IIFábulas I

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença

Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional

8 thoughts on “Fábula IV – Do isopor.

  1. Estou a pensar no padre e no isopor…que pecados este isopor absolveria se não fosse impermeável? Que pecados este padre perdoaria se fosse infalível?

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: