Estrelar dos ovos

Ilha Mainau, Constança, Alemanha. Conhecida como ilha das flores onde há também um borboletário.

O segredo é atravessar o casulo

Deixar de ficar encima do muro

A travessia dói

Como dói

Fome de lagartas

Têm as feridas

Vida

Vida

Doer é diferente de corroer

Vide as leves, lindas e coloridas

Asas das borboletas

Reluzindo seu ar

Arrebatador

Voam

Voam

Em busca de flores

Com néctar abundante

São polinizantes

Sem saber

Que a vida é curta

Sem ficar

Culpando a pulpa

Renascendo

A cada estrelar

Dos ovos.


O poema de hoje foi inspirado na publicação do blogue Anovamente – EM SI: LUGAR DE GRAÇA.

Aliás, desde quando começei por aqui vou nesse blogue para me alimentar. Fonte de inspiração e alívio.

Gratidão por seu trabalho Adriano🦋


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

4 comentários

  1. Que poesia metAMORfoseante… uma homenagem as borboletas… amei! 😊🙏

    Só tenho a agradecer… Pela oportunidade de poder trocar olhares e visões de borboletas… Que transformam a lagarta em seu próprio casulo… Deixando o escuro ao deixar a luz passar… E vir a ser aquela que é… Alada, amada, viva… Do pólen ao pólen, uma supernova a estrelar…

Diga-me a sua opinião?