Depressão com Poesia

Dália

Dália

Dália

Dalila olha a cor de seus cabelos
E refuta em cortá-los
A ambição é desmedida
A pura essência é invejável
Mas a beleza que deu-lhe
Resplandeceu o jardim das dores

Ah Dália!
Se Dalila tivesse-lhe encontrado antes mesmo de Sansão
A estória seria diferente
Mas infelizmente
Há cegueiras oportunas
Plantadas por oportunistas
Sementes de oportunidades

Dália
Dalí pincela seus miolos
No céu das loucas
Psicodélico?
Não
Loucura é não ver as estações
Que mais vibram
Do que estagnam
No nosso chão vermelho do peito
Brilha a estrela que se dá de dia
Dália.

Dália
Os dias estão tão surrealistas
Os relógios derretendo
Com vícios e vírus
Na invisibilidade
Como Gala
Esposa e musa de Dalí
Mas hoje eu tenho que te agradecer
Obrigada Dália
Você chamou meu nome enquanto eu caminhava
E dessa vez
Eu não estava dormindo.

4 thoughts on “Dália

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: