Depressão com Poesia

Da raiva e do perdão

Vamos falar de raiva, esse sentimento que nos move e por vezes destrói.

Há muitos caminhos que nos levam à raiva: fome, noites mal dormidas, cansaço, injustiças, irritações, desavenças, indiferenças, difamações, mentiras, e às vezes até a recusa de um cafezinho na esquina (meu marido que o diga).

A raiva é avassaladora se ela não destrói por fora irá destruir por dentro. Para um depressivo ela é perigosa porque é alimento para a tristeza, negatividade e culpa, essas forças ocultas que são fáceis de entrar mas nem sempre de sair.

Quando criança eu batia a cabeça na parede de raiva, como se assim fosse a tirar de lá, hoje a parede é invisível…. Sou do tipo de guardar raiva, o que é horrível, pois, ela se revolta dentro de mim e vai para o caminho do rancor.

Com o tempo (quero dizer idade mesmo) você vai percebendo que o rancor não vale a pena e vai soltando as pedras (inclusive a de rins). Mas, a raiva continua lá a nos atiçar constantemente, querendo ver o circo pegar fogo.

Saber elaborar os sentimentos será a inteligência mais demandada no futuro.

A saúde mental da sociedade está colapsando, isso é evidente, tanto no que vemos no trânsito, quanto no que “não” vemos como os desabrigados.

Acontece que o trânsito nos provoca raiva e os desabrigados a piedade; estranho os seres humanos, poderia ser ao contrário, sermos ativos com quem precisa e passivos aonde inevitavelmente teremos que esperar.

Cá estou eu aqui falando de novo que a raiva nos movimenta. Alguém aqui discorda?

Minha irmã é do tipo que se sente raiva faz o barraco, olho para aquilo e penso como pode? Mas é fácil falar do barraco dos outros quando não se olha para o barraco interno.

Quando comecei o tratamento para a depressão ela falou: “Cris, briga, xinga, chora, peça desculpas depois, mas você precisa extravassar“.

Não dá, é personalidade, eu emburro e fico incomunicável e se abro a boca para discutir é um perigo, na raiva minha língua é feroz, não mede palavras, nem usa filtros, e sei que já usei muitas palavras por aí que doeram mais do que um soco…

Enfim, sou uma pessoa toda passiva que fica na defensiva, a raiva vem dar uma apimentada nisso tudo, não sou de ficar confabulando vinganças, tento não ficar lembrando do ocorrido, mas o perdão, ah o perdão, ele demora muito para se instalar no meu coração.

Quando a confiança é quebrada difícil voltar o mesmo grau de respeito de antes. Claro que isso me incomoda, queria ser do tipo que passa uma borracha e bola para frente. Mas, venho aprendendo parar de me cobrar perfeição e aceitar minhas manias (as boas e as ruins).

Aceitar não é sempre concordar, trabalho bravamente para domar a raiva e todo o rastro que ela deixa. A respiração consciente, a terapia, o estudo da mitologia com os diferentes arquétipos (tipos de personalidade), sons de harpa, piano, violino, têm me ajudado muito no desenvolvimento pessoal. Minha última descoberta foi “Piano Guys”, recomendo mesmo sabendo que a busca é pessoal.

Hoje vejo que se não tivesse perdoado “verdadeiramente” meu pai por toda situação de alcoolismo que vivi na infância iria passar uma vida sem saber o que é ter um pai que você admira.

Se não houvesse perdão integral, não haveria união, se ele não mudassse nossa relação seria diferente.

Se eu não mudar, se nós não mudarmos..

Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

15 thoughts on “Da raiva e do perdão

  1. Nada é de fato o que aparenta ser ao primeiro olhar, e levei tempo pra aprender a não responder mensagens que mexam com meu emocional sem antes tomar um momento pra digerir e fazer o exercicio dos 3 filtros: verdade, bondade e necessidade na comunicação em suas quatro perspectivas: objetivo, conteúdo, sentimentos do emissor e do receptor da mensagem

  2. Sou muito parecida, sinto raiva, fico brava, mas ‘emburro’, fecho a cara e guardo.
    E muitas vezes vira rancor, vira mágoa. Dificilmente perdoo, nunca esqueço.
    Mas estou tentando melhorar, principalmente em relação ao rancor e a magoa, que fazem mais mal pra mim mesma.

  3. Sem dúvida, é que a raiva e o rancor andam de mãos dadas, não sabemos ao certo em qual estamos segurando até… Hoje lido assim, a raiva é uma emoção momentânea, o rancor procuro não deixar entrar. Trabalho para todo dia.

  4. Olá.

    Passei por aqui ao d’leve e gostei muito desta tua pequena reflexão literária.
    O perdão é realmente uma coisa mágica. Essencial à Vida!
    Continua a escrever. Vou ficar atento. (Comecei agora um blog de escrita, se quiseres dá uma espreitadela)

    Felicidades ☆

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: