Depressão com Poesia

Cora Coralina

Cora Coralina

Do fruto fez doce

Da cidade versos

O tempo em suas mãos

Tomou a dimensão do universo

Tardia?

Não.

Estava ajuntando as rimas

Da sabedoria

Que mais sabor e cor tomavam

Conforme o desbotar dos cabelos

O Rio Vermelho

Jamais saiu de sua memória

Nem o encanto do sorriso certeiro

Pouco escolada

Foi livre para escreVer

Liberta da moda literária

Seus versos foi seu poder

Falava de becos

Falava de flores

Falava de amores

E do vir a ser

Mulher do interior

Que desde 1889

Declamava

Sobre perder o medo

Pra viver.


Cora Coralina foi uma poetisa apaixonada por sua terra – Goiás – e por sua vida simples. Apesar de ser filha e esposa de homens influentes, foi nos versos e nas panelas que ela se descobriu e se realizou.

“A perda do medo”, foi assim que Cora Coralina denominou sua maturidade.

Publicou seu primeiro livro aos 76 anos, apesar de escrever desde os 14. Ganhou prêmios e reconhecimento em vida. Morreu aos 95 anos.

Curiosamente, Cora Coralina (cujo nome real era Anna) viveu longos anos da sua vida aonde eu nasci, em Jaboticabal interior do Estado de São Paulo. Lá ela teve seus seis filhos, dois morreram após o parto.

Hoje, o maior centro de eventos da cidade, onde há a Festa do Quitute, leva o nome da poetisa.

Uma capela foi erguida, em meio ao matagal
Jabuticabeiras floridas existiam no local
Era a fruta preferida pelos índios sem igual
E assim foi escolhida, com o nome de Jaboticabal

Cora Coralina

Poemas de Cora Coralina

(Ou poderia chamar também de Receitas de Cora Coralina)

O Cântico da Terra

Eu sou a terra, eu sou a vida.
Do meu barro primeiro veio o homem.
De mim veio a mulher e veio o amor.
Veio a árvore, veio a fonte.
Vem o fruto e vem a flor.
Eu sou a fonte original de toda vida.
Sou o chão que se prende à tua casa.
Sou a telha da coberta de teu lar.
A mina constante de teu poço.
Sou a espiga generosa de teu gado
e certeza tranquila ao teu esforço.
Sou a razão de tua vida.
De mim vieste pela mão do Criador,
e a mim tu voltarás no fim da lida.
Só em mim acharás descanso e Paz.
Eu sou a grande Mãe Universal.
Tua filha, tua noiva e desposada.
A mulher e o ventre que fecundas.
Sou a gleba, a gestação, eu sou o amor.
A ti, ó lavrador, tudo quanto é meu.
Teu arado, tua foice, teu machado.
O berço pequenino de teu filho.
O algodão de tua veste
e o pão de tua casa.
E um dia bem distante
a mim tu voltarás.
E no canteiro materno de meu seio
tranqüilo dormirás.
Plantemos a roça.
Lavremos a gleba.
Cuidemos do ninho,
do gado e da tulha.
Fartura teremos
e donos de sítio
felizes seremos.

Cora Coralina

Das Pedras

Ajuntei todas as pedras

que vieram sobre mim.

Levantei uma escada muito alta

e no alto subi.

Teci um tapete floreado

e no sonho me perdi.

Uma estrada,

um leito,

uma casa,

um companheiro.

Tudo de pedra.

Entre pedras

cresceu a minha poesia.

Minha vida…

Quebrando pedras

e plantando flores.

Entre pedras que me esmagavam

Levantei a pedra rude

dos meus versos…

Gostou?

Procure também pelos títulos:

  • Semente e fruto
  • Menina mal amada
  • Minha cidade
  • Variação
  • Sombras

9 thoughts on “Cora Coralina

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: