Contando peças.

“A Forma Brilhante”, exposição na ilha de Capri na Itália, arte feita com correntes de bicicletas, escultor coreano Seo Young-Deok.

Já perdi
Um óculos de sol
Daqueles que nos deixam confiantes
por trás das lentes/

Já perdi um colar de ouro branco
Onde tinha cravado um coração
Colar que ganhei numa data de comemoração/

Já perdi a paciência
Já perdi a decência
Já me perdi
Perdi o caminho e amigos
Perdi amores/

Ainda não perdi a vida
Essa que a cada dia
Com suas doses distintas
Me ensina que o perder
Caminha com o ganhar/

Cair, levantar, andar
Assim começa o bebê
A se equilibrar
Até se elevar/

Bípedes nas alturas…

Será que dá para contar
Os ganhos depois da morte?
Mais
Ou
Menos
Me conte
Quantos anos você tem?

Este trabalho está licenciado uma Licença

Creative Commons

Atribuição 4.0 Internacional

10 comentários

  1. Acredito que a morte é a última perda, mas que ela não apaga todas as nossas conquistas e derrotas em vida.
    Parabéns pelo blog, muito inspirador!!!

Diga-me a sua opinião?