Depressão com Poesia

Cena do dia a dia

Confundiu o papel com a peça

Levou o drama pra casa

Decorou o discurso de outro

Não pensou

Não amou

Não sofreu

Alegria vinha das palmas

A curtida sua mão amiga

Revistado de mil Caras

Confundiu holofotes com gente

Uma tora

Sem rota

Um ator.

Rubem Alves no livro Pai Nosso, meditações.

8 thoughts on “Cena do dia a dia

  1. Lembro de uma das primeiras sessões de terapia, falei pra ela que não suportava tantas máscaras por aí. Resposta: todos temos, faz parte da sobrevivência, o cuidado é para que não deixá-las grudar na cara.

  2. Elas ocultam e revelam… Sobreviver, por exemplo, em algumas instituições, exigem que as usemos… Mesmo que vez ou outra as tiremos…

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: