Depressão com Poesia

Raiva e depressão

O que: Raiva: devemos mesmo controlar?

Quem: psquiatra alemã Heidi Kastner

Onde: DW – Futurando, repórter Hanna Wick.

Quando: 24.04.2019

Por quê:

Ira, fúria, cólera, todas sinônimo de raiva. Daqueles momentos de descompasso que na maioria das vezes causa embaraço. Segundo essa psquiatra a raiva é importante para conhecermos a nós mesmos.

A reportagem traz uma animação para nos mostrar como a raiva afeta o corpo e como reagimos. Achei bem interessante a parte que ela diz que um dos sinais é levantar o queixo. Nunca tinha reparado.

Outro ponto, é que esse sentimento ancestral só é percebido quando temos conexão visual.

Os olhos, sempre os olhos, revelando nosso ser.

Destaques da fala da psquiatra:

Se não transmito minhas emoções não informo aos outros meu estado de ânimo.

Quando você se entrega, reconhece e a usa, a raiva é um motor para mudança, para a auto reflexão, para uma interação autêntica.

Concordaram com ela?

E o que fazer numa sociedade que conclama a repressão? Que nos empurra aos braços da depressão?

Fiquei pensando, muitos casos de depressão é a soma de muita raiva contida. E quando a pessoa entra nesse buraco, a raiva fica ficha pequena. Sabem o porquê?

Porque numa depressão profunda o que a pessoa mais sente é indiferença por tudo e por todos. E isso dói.

Clique no link abaixo para assistir a reportagem:

Raiva: devemos mesmo controlar?

*Atenção: esse não é um estímulo para o “Vamos quebrar tudo”, mas sim para pensarmos em nossos sentimentos e ações.


e-books por Cristileine Leão

Envelhecer é uma dádiva

O que: Envelhecer, tipos de memória, Alzheimer e sono.

Quem: neurologista Fabiano Moulin.

Onde: Casa do Saber.

Quando: 17.01.2019

Por quê:

Descobri essa nova palavra:

Telômero, as pontas dos cromossomos responsáveis por impedir o desgaste genético.

As pessoas estão vivendo cada vez mais. Nesses dias a psicóloga me fez perguntas que me assustou,

Já pensou como será a sua vida aos 80? O que vai estar fazendo? Onde vai estar morando?

Não, eu nunca pensei, a motivação começa brotar em mim agora…

E você, já pensou nisso?

Então, se quiser estar saudável, disposto e ativo pense em cuidar desses fatores, citados abaixo pelo neurologista, eu já comecei.

  • dieta
  • atividade física
  • sono
  • tratar depressão
  • meditação
  • qualidade relações sociais

Nós somos (só) o nosso cérebro?

O que: Neurociência: Nós somos o nosso cérebro?

Quem: filósofo Francisco Ortega.

Onde: Café Filosófico, CPFL Cultura.

Quando: 05.04.2019

Por quê:

Este “Em Pauta” é para os fortes, risos, quero dizer aos fortes de paciência já que o vídeo tem quase duas horas de duração com um sotaque espanhol.

Digo isso porque hoje está tudo tão instantâneo, como se em quatro minutos preparassemos uma refeição de qualidade. Como se numa mastigada nas informações nosso corpo já obtivesse os nutrientes necessários.

Mas vamos deixar esse papo de cozinha, afinal é nela que escuto a maioria dos vídeos, e vamos ao que interessa.

O que é essa tal visão neurocêntrica?

Vamos separar a palavra para ficar mais fácil o entendimento, essa técnica aprendi nas aulas de alemão para compreender aquelas imensas palavras juntas.