Depressão com Poesia

Carta aos professores de filosofia

Querido professor,

Eu sei, os dias estão árduos para você que mais do que estudar acreditou que o amor à sabedoria abre portas, mentes e forma gente que vive além do ter.

Você bem sabe, essa não é a primeira vez que a história ruma para a barbaridade.

Ainda assim, temos o exemplo socrático que ensinava em praça pública. Suas palavras jamais foram esquecidas. A liberdade e o conhecimento não morrem nem com cicuta.

Prezado professor, o mundo líquido escorre pelas mãos, tudo flui, mas somos feitos de carne e osso, com as mesmas necessidades de pão, afeto e afetAção.

Por que queremos voltar para a banalidade do mal?

Todos os dias o sol nasce e se põe, e, reconhecemos a maestria da beleza da natureza. Nossa vida busca estética e ética.

Uns são existencialistas; outros seguem os afãs de São Tomás de Aquino. Há os niilistas onde o nada é tudo, mas muitos desconhecem o super herói de Nietzsche e preferem acreditar nos super-heróis de cinema. Ter noção e responsabilidade das próprias ações é para os fortes.

Sabe professor, a verdade não está nem no mundo das ideias e nem no cetiscismo de Schopecheuer. O céu, o inferno, a cultura de massa, a lógica aristotélica, o rigor cartesiano, a virtude de Espinosa, a política de Maquiavel (melhor ser temido do que ser amado), e outros exemplos mil. São só modelos do melhor, e do pior, do que fomos e do que podemos vir a ser.

O melhor que aprendi em suas aulas foi formar os próprios conceitos. Eu sei é mais fácil ser passageiro que condutor nessa estrada. Mas, será que todos têm consciência de que a vida é única aqui e agora? E mesmo quando houver o passar, alguém amado há de ficar.

Ah professor, dizem que filosofia é tão difícil e que não serve para nada. Ah se eles tivessem minha infância e vissem um porco sendo morto por facadas e ainda assim se levantar e correr atrás das crianças. Ah se ao menos lessem “A revolução dos bichos”, de George Orwell, saberiam que a diferença não está no sistema mas na postura das pessoas.

Lembra professor de quando queimavam livros e bruxas? Do que será que o homem tem tanto medo? Por que mesmo morreu Tiradentes?

Ah se todos tivessem direito à educação de qualidade para formar cidadãos pensantes, mas preferem formar serviçais para perpetuar a coroa. Mão de obra barata essa é a realidade de quem prefere o aceitar sem questionar.

A sorte é que nunca deixarão de existir filósofos, tal como a noite não consegue apagar o brilho das estrelas.

Arroba, sinal gráfico formado por um ‘a’ minúsculo envolto num círculo aberto, usado nos endereços de correio eletrônico com o sentido de ‘em‘ (subordinação de lugar).

Professor = sinal, formado, envolto num círculo, com sentido de ‘em, mas e porém’. Ainda que subordinado ao lugar, circula o mundo.


FacebookInstagramYouTube
Siga-me nas redes sociais


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

25 thoughts on “Carta aos professores de filosofia

  1. Simplesmente fantástico Cris!
    Completo, complexo, necessário!

  2. É inacreditável, um pesadelo o q se está a passar no Brasil. Mentalidade das trevas.
    Eu q sou de exatas, gostava muito das aulas de filosofia e psicologia social (eletiva).

  3. Até para eles há pensamento, ficamos pensando até quando? Um país não é representado por apenas um ser, mas por diversos outros que nem gostam de aparecer. 😉

  4. Essa história toda me fez lembrar quando eu estava no colegial de uma escola públic e voltaram as aulas de Filosofia no lugar da Educação Moral e Cívica. Foi um burburinho tão grande, que pensei: poxa vida se estão debatendo tanto sobre essa tal Filosofia, isso significa que ela deve ser boa mesmo. Risos. Fiquei mais curiosa e quis conhecer mais sobre o assunto. Tomara que esse debate se amplie e reconheçam que as áreas são interligadas e interdependentes…

  5. Tomara… a prática e os aspetos conceituais precisam andar juntos para a formação do ser integral. Traduzindo: a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte… a gente não quer só dinheiro, a gente quer inteiro e não pela metade… (música Comida, Titãs).

  6. Indiretamente, todos que trabalham na área de humanas é sempre prejudicado, com número bem menor de horas/aula, horários distribuídos sem critérios, etc; mas, diretamente, eu já sabendo como filosofia e sociologia, em especial, são tratadas historicamente, fiz Especialização e Mestrado em Ciências da Religião, assim me habilitei para lecionar ética e ensino religioso. Hoje trabalho com E.R nas duas escolas, tanto particular quanto pública.

  7. Garoto esperto, risos. Hoje vi um vídeo antigo do prof. Leandro Karnal que disse que todos os sistemas autoritários mexem primeiramente na área de humanas (especialmente em filosofia, antropologia, sociologia)… para o bom entendedor um pingo é a letra.

  8. Bem assim…, por isso, quando terminei o curso de filosofia, decidi que especialização e mestrado seriam para outra habilitação… outra dica que tem seguido é não ficar apenas no serviço público ou privado… o ideal é sempre trabalhar nos dois…

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: