Depressão com Poesia

Azul

Azul

Tamanho da vastidão

Que habita em ti

Na onde

Flutuam nuvens

Como passos

Na Terra mãe

Anil

Um mergulho no infinito

Do Universo até o umbigo

Elucida a criação

O dom

Que nos liga

A tudo e a todos

Sem nenhuma exceção

Turquesa

Mais que um tom

Dá até em pedra

Durma linda

Jóia rara

Vida é bela

Sentinela

Há estrelas

A luzir

No no escuro

Azul.

Leia também a prosa poética:

Se ver nas cores

7 thoughts on “Azul

  1. Acredito que a mistura dos dois, que horas estão escuros, noutras claros… assim seguimos. Como diz no poema de Drummond:

    “Alguns, achando bárbaro o espetáculo
    prefeririam (os delicados) morrer.
    Chegou um tempo em que não adianta morrer.
    Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
    A vida apenas, sem mistificação.”

  2. Sempre estes mineiros das serras a inspirar-nos… Deve ser a proximidade com o céu ou pelo menos com as nuvens…

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: