Depressão com Poesia

A vida e as temporadas

Ainda que o sol não venha e que precise da capa de chuva em vez de nadar…

ande, ande, ande.

O movimento nos mantém vivos,
o se pôr na ativa nos motiva.

O sorriso virá na virada dos dias.

Nade, nade, nade,

no próprio vazio

Até descobrir o rio

Nos temporais.


Acabo de voltar de férias com a família, esse ano pensei que não poderíamos viajar diante da pandemia, mas, aqui na Alemanha já está quase tudo praticamente em funcionamento. Dessa vez fomos visitar o mar do norte, nunca tínhamos ido em praias em terras germânicas. Só posso dizer uma coisa, que frio! Estamos em pleno verão, mas essa semana estava chuvosa. Ainda assim valeu pela paisagem e oportunidade de ficar em tempo integral com a galera fora de casa. Essa foi a primeira férias que viajei sem tomar os antidepressivos, a princípio estava receosa porque nos últimos meses percebi o humor decaindo. No começo da quarentena encarei numa boa, mas no finalzinho estava muito irritada com a falta de rotina, perspectiva e saudade do meu povo no Brasil. Esses dias de descanso me fizeram muito bem, me peguei sorrindo, fazendo piadas e principalmente sem fazer “nada”, longe do celular e de expectativas. Perguntei ao marido e aos filhos se observaram alguma mudança de comportamento no com e no sem os antidepressivos. Eles responderam que agora eu comecei falar com voz de bebê, rimos muito, pois, isso faz parte de nossas brincadeiras, brincadeiras que eu tinha parado de brincar… Particularmente o que eu mesma percebi é que com os antidepressivos a flutuação de humor é menor. Sem, me sinto numa gangorra emocional. Mas, não adianta só tratar os sintomas é preciso atuar na causa (se é que existe). Tenho procurado saber bastante sobre autoconhecimento, mas percebo que o que mais nos ajuda mesmo é mergulhar no mar, curtir as temporadas e seguir as remadas do coração.

Veja mais fotos aqui do Festival de Areia em Binz, Rügen.

Tomando sorvete de café na orla
Cabo Arkona, Rügen, Alemanha
Praia Sellin, ilha Rügen, Alemanha
Comemorando os 43

21 thoughts on “A vida e as temporadas

  1. Estas praias do norte da Alemanha me fizeram lembra de quando fui às praias de Santa Catarina, no inverno… Jamais havia imaginado que pisaria a areia calçado com tênis e com toca na cabeça, bem assim igual sua entusiasmada foto. Abraços, Cris, com você estou feliz…

  2. Adoro tudo o que você escreve Cris… também amo as fotos 😘

  3. Tive a mesma sensação Estevam, caminhei na areia de tênis, capa de chuva e sorvete. Fui sozinha, foi libertador. O som do mar, o tom e o amar, esquentam a alma. Boa semana professor.

  4. Bem vinda so 7o. Setenio, fase da maturidade, de tornar-se sábia e da intensificação do altruísmo, sem deixar de manter a expansão do ser em sua plenitude.

  5. Com voz de bebê? Ah… então faz um áudio para a gente rir. Rsrsrs Aqui continua verão com cara de outono. grrr
    Parabéns por seus 43!

  6. Lembrei-me da frase que a psicóloga sempre me repetia: se não consegue chegar voando, nada impede de chegar, ainda que capengando… Seguirei Odonir, dias escrevendo, dias sendo: poesia.
    Abraços 🌻

  7. Bombom dia minha querida amiga… assim que postou e quis comentar aqui, mas pelo celular é uma tarefa quase impossível (existe um vírus chamado corretor que insiste em trocar Bernardo por Mercado) Enfim… tenho visto uma Cristilene, mais leve, mais solta, mais confiante, mais feliz a cada post e lógico que ficamos feliz também. Blogsmente falando (inventei esta palavra agora), eu sinto a paz exalando nas tuas palavras, o bom humor em cada vírgula e a gratidão sempre presente com um ponto final nas tuas poesias. Feliz com tudo que li e leio aqui. Um beijo no coração PS: Reforço o pedido da “Miau do Leão”: faz um áudio para a gente rir, faz?! kkkkkkkkkk

  8. Amado Sandro, se soubesse como sinto sua presença certamente estaria escutando essa voz todo o dia e pedindo pro bebê ficar quieto😂. Acabei de gravar um áudio pra hoje, mas, não foi assim tão visceral. Essa sua devolutiva veio em bom momento onde procuro firmar meus passos com e além blogue… Muito obrigada. Beijo no coração.

  9. como pisciano, o mar me diz sempre, e ele, em mim, não existe com estação, dias revoltos, dias calmos, dias em silêncio, dias em longas conversas. dias em deixa a lua banhar em suas águas, dias em que o sol disputa com as ondas quem brilha mais ao chegar na areia dos meus pés…o mar! maravilha, ainda que frio, ainda que chuvoso, sempre mar. e que bom que estavas com ele. e ele contigo. Feliz aniversário e seguimos firmes, no mar das palavras. o meu abraço!

  10. Obrigada!
    Tão bom essa possibilidade de mar e maravilhas. Entre andamos e nadamos há só a troca de sílabas iniciais… o damos se refletiu no “estavas com ele, e ele contigo”. Sim, esse foi um momento do Todo. Abraços e se cuida.

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: