Depressão com Poesia

A morte da curiosidade.

E ela gostou
Do candelabro detalhado/

Cuidado menina
Cerâmica quebra
Também aí no ouro
Pouco se põe a mão

Está certo majestade
Vou prestar mais atenção
É que a vela que aí acende
Me derrete de emoção/

Assim começou a queimar
A curiosidade

A peça foi colocada numa vermelha redoma
E a menina enfim entrou na descolorida vida enfadonha.

〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️〰️

  • Foto feita da “Sala das Porcelanas” no Residenz de Munique.

Entre 1579 a 1598 o duque Wilhelm V começou a coleção de porcelanas trazidas da China e Japão.

Na Europa a porcelana só começou a ser produzida no século 17.

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional

4 thoughts on “A morte da curiosidade.

  1. Que dó da menina. Penso que ela deveria poder mexer em tudo e nunca entrar na vida enfadonha, afinal para que serve um candelabro dentro de uma redoma? Você sempre talentosa, querida Cris.

  2. Obrigada querida Juju. Mesmo na vida enfadonha a menina vive, e a curiosidade leva à criatividade…que ela tenha coragem de tocar e acender o candelabro, ou ela será mero enfeite na vida. E se ele quebrar, deixará de fazer história para a posteridade ver, ficará em pedaços, no pó que verá a menina crescer e fazer sua própria história… Vixe Juju, acordei com vontade de escrever, risos. Tenha bom dia😙🙋🏽‍♀️

  3. Que essa sua vontade de escreve dure para sempre, pois eu adoro suas reflexões sempre tão inteligentes!

Diga-me a sua opinião?

%d blogueiros gostam disto: