Refugiada

Brinca a criança de
“O invisível sou eu”.

Não imaginava a graça e a dor de um simples pedaço de pano.

Que bandeira a flamular!

Terra à vista!

Hoje tenho dezoito anos, mas, as marcas da guerra civil me envelheceram. Não sou triste, mas inconformada com cada pedaço que isso tira da gente.

Hoje não tenho teto e nem chão debaixo de meus pés. Só vejo a imensidão de um azul turquesa que nos balança para lá e para cá. Entre as costeiras e o fundo do mar.

Tenho medo, mas, papai me falou que esse bote seria nossa salvação.

Confio que ao refúgio sou guiada
Sou refugiada


E você briga de quê?


Texto de livre pensamentos de anos e anos atrás que pesquei na solidão dos dias relendo diários.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s