O chamado

A Xamã saiu das águas e carrega um cesto de luz, ela o cuida com carinho porque o conteúdo que preserva irá nutrir a humanidade.

Pisa descalça na areia molhada que já foram remexidas por ondas seculares.

Nesse momento o resplandecer da noite vem da lua cheia sobre todos. Duas estrelas piscam nos olhos do universo, enquanto a tartaruga se arrasta vagarosamente seus passos de sabedoria.

A Xamã tem tudo para sorrir e usar uma capa mais leve, mas está exausta, suas mãos nadaram muito até sair das águas e alcançar o cesto protegido pela tartaruga.

É tudo tão sublime o que existe ali, é tão bom pisar na areia, poder respirar, ver as fases da lua, contar com a luz entre as mãos, ser guiada pela sabedoria, que por essas e outras a Xamã escolhe caminhar até encontrar um lugar seguro para abrigar o cesto, tirar o manto e sorrir em êxtase.

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s