Depressão a lente que distorce (em memória)

Rememorando

Vamos lembrar duas entrevistas que publiquei aqui dessa mulher de temperamento forte que não se deixou ser temperada nem pela depressão.

Controversa, polêmica, sem mimimi. Autora da comédia televisiva “Os Normais”, colocava tempero em nas feridas sociais. Fernanda Young, morreu hoje aos 49 anos.

Esse REMEMORANDO é para lembrar que precisamos de mais gente assim autêntica e criadora.

Depressão e redes sociais

Mulher Indigesta – entrevista

“Tenho uma certa sensação de insatisfação constante. A realidade me incomoda.”

A depressão é uma lente que distorce as coisas. A grande crueldade dessa doença é que você pensa que deveria morrer, porque é pior viver.”

“Não desejo a depressão de novo. Nem deixo que ela me domine. Não sou a doença.”

Fernanda Young.


Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

4 comentários

  1. Que grande perda!
    Eu li sua última coluna. Brilhante!
    Eu não conhecia esse texto dela sobre depressão, ou não me recordava. Realmente, é uma lente q distorce.

  2. Não recebi a mensagem do seu comentário com o link. Estranho.
    Cheguei aqui através do post seguinte e como sempre respondes a todos os comentários, estranhei a ausência. E fui catucar até chegar aqui.

    Muito bom, sim!
    Ela fala sobre o q eu já falei p vc aqui. Há sempre a procura por um culpado. Se está num relacionamento, culpa-se o companheiro. Se está solteiro, culpa-se a família. Não sei se é sempre assim, mas é o q deixam transparecer as notícias após morte de um famoso q sofria de depressão.
    Fernanda chega a falar q a família não tinha culpa. Você viu?

    P.S.: não sei se vou receber resposta deste. Rsrs
    Hj estou muito emocionada. Fui buscar os livros do mais velho pela última vez. Será o seu último degrau na escola. Acredita q chorei em casa?

  3. Ainda acho que esse desencontro de mensagens é por causa da mudança de nome do seu blog. Mas, vamos tentando até solucionar.

    Vi sim. Desde essa reportagem dela que publiquei em 2017 vinha acompanhando as falas dela sobre a depressão. Ela lutou bastante para achar significados para a vida, não ficava se vitimando e nem culpando ninguém. É uma luta para se manter em pé, viva com vida… quando para muitos isso é normal, natural.

    Ah! que legal! do seu filho. Só de falar imaginei a cena. Novo ciclo, sorte para vocês.

Que tal deixar a sua opinião?