Ancorar

“Eu tenho pele branca, nasci em um país rico, tenho o passaporte certo, pude frequentar três universidades e me formei aos 23 anos”.

“Sinto uma obrigação moral de ajudar as pessoas que não tiveram as mesmas bases que eu.”

Essa foi a justificativa de uma capitã alemã que atracou um navio com refugiados num porto italiano.

Agora, é claro, ela está respondendo legalmente por isso. Carola Rackete está sendo vista por uns como heróina e por outros como criminosa.

Mais do que a coragem, quero destacar nessa moça um valor que só anda em destaque no muito bibibi dos bites e dos bytes, mas que na prática vem se atrofiando: a empatia.

Isso mesmo, se colocar no lugar do outro, e mais do que isso, agir além de si, além dos próprios interesses e conveniências.

O que será dessa capitã eu não sei, mas a mensagem é clara. Chega uma hora que precisamos ancorar nosso navio. Doa à quem doer. Ainda que esse alguém seja nós mesmos.

Leia a reportagem completa aqui:
A capitã que desafiou autoridades para salvar refugiados



e-books por Cristileine Leão

As Pegadas do Jabuti

para crianças e para quem gosta de autoconhecimento


Flores cantam Poesias: fotografias e poemas

para apreciar a beleza

Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

Que tal deixar a sua opinião?