Obrigada. De nada.

De nada

Sou obrigada

A aceitar

Os desaforos

Que outrora

Foram

Juras de amor

Obrigada por mim

Ter benfeito

Mas de nada

Adianta vir

Acompanhado de trilhares

Dos seus bem-feitos

Obrigada

Não lhe dou o direito

De dizer que sou só mais uma

De nada

Não sou gado

Sou obra sagrada

E danada para

Cumprir o próprio trilho

Meus cumprimentos.



e-books por Cristileine Leão

As Pegadas do Jabuti

para crianças e para quem gosta de autoconhecimento


Flores cantam Poesias: fotografias e poemas

para apreciar a beleza

Esta obra está licenciada com uma Licença
Creative Commons Atribuição Não Comercial Compartilha Igual 4.0 Internacional

5 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s